Você fez um login e recebeu a opção de salvar senhas no Google Chrome. E agora?

Lidar com senhas é algo que pode nos causar certa apreensão, é natural. Com isso, ficamos em dúvida sobre ser seguro ou não apostar nesse salvamento que o navegador sugere.

Se esse questionamento passou pela sua cabeça, bom sinal! Neste post, vamos falar sobre como salvar senhas com segurança. Confira!

O que é o salvamento de senhas no Google Chrome?

O salvamento de senhas no Google Chrome é um recurso que o navegador tem para que você não precise digitar seu login e senha todas às vezes.

Ao acessar uma conta que pode ser de e-mail, de uma rede social ou de uma loja online, por exemplo, o Chrome vai perguntar se você quer salvar a senha.

Caso você queira que o salvamento seja feito, basta clicar em “salvar”. Caso não queira, basta recusar e vida que segue.

O recurso é interessante porque poupa nosso tempo e reduz os conflitos com a memória. Quantas vezes você já esqueceu uma senha de acesso, preciso pedir recuperação, só para descobrir que a “nova” senha é igual a “antiga”?

O Chrome te permite salvar senhas porque seus desenvolvedores sabem que você quer evitar dor de cabeça. Assim, criaram uma solução para facilitar a sua vida.

Como as senhas são salvas pelo Google Chrome?

Pensando em tudo isso, você já se perguntou onde é que o Google Chrome salva suas senhas e como isso acontece?

O recurso de salvar senhas do Chrome é apresentado quando você faz um login pelo computador ou notebook.

Ao permitir que o navegador salve suas informações, elas ficam armazenadas em um banco de dados no dispositivo.

Esse banco de dados SQLite3 é um arquivo que foi desenvolvido para ser acessado somente pelo Google Chrome. Assim, a ideia é que nenhum outro programa tenha acesso.

Entretanto, como sabemos, existem pessoas mal-intencionadas que desenvolvem programas como vírus e outros malwares justamente para roubar senhas.

Com isso, para dificultar a ação de cibercriminosos, as senhas no Google Chrome são criptografadas. Com essa proteção extra, há boas chances de que seus dados permaneçam seguros.

Precisamos alertar, porém, que riscos existem!

Quando e como salvar senhas no Google Chrome?

O banco de dados criado pelo Google Chrome fica no dispositivo que você usava quando apertou o botão “salvar” para seu login e senha. Isso significa duas coisas:

1) Se você usar outro dispositivo para acessar o mesmo site, seus dados não estarão salvos ali e você vai precisar digitar tudo;

2) Se outra pessoa usar o dispositivo em que suas senhas estão salvas pelo Google Chrome, pode facilmente ter acesso às suas informações.

Por isso, você só deve salvar senhas no Google Chrome em um computador de uso pessoal e que também seja protegido por (outra) senha de acesso.

Dica importante! Caso você perca seu computador ou o aparelho seja roubado, use seu celular ou outro dispositivo para mudar suas senhas o mais rápido possível.

Como ativar/desativar a opção de salvar senhas?

Anteriormente, explicamos que o Google Chrome automaticamente vai perguntar se você quer salvar a senha e basta aceitar, caso você queira.

Entretanto, pode ser que essa função tenha sido desativada ou que você deseje desativá-la por não querer usar o recurso.

Para ambos os casos, o caminho é o mesmo. Você deve:

1) Abrir o Google Chrome no desktop (computador ou notebook);

2) Clicar nos três pontinhos no campo superior direito e selecionar “Configurações”;

3) Clicar em “Senhas”;

4) Ativar ou desativar a opção “Oferecer para salvar senhas”.

Como editar ou apagar senhas salvas?

Se, depois de salvar senhas, você precisar editá-las ou até apagá-las do banco de dados, tem a opção de fazê-lo.

Para tanto, o caminho é bem parecido com o que apresentamos há pouco, mas com algumas diferenças. Veja só o que você deve fazer:

1) Abrir o Google Chrome no desktop (computador ou notebook);

2) Clicar nos três pontinhos no campo superior direito e selecionar “Configurações”;

3) Clicar em “Senhas”;

4) Clicar em “Ver e gerenciar as senhas salvas na sua Conta do Google”, o que abrirá uma nova página;

5) Abrir o “Gerenciador de senhas”.

Ao abrir o “Gerenciador de senhas”, você vai visualizar todos os sites em que tem senhas salvas. Ao clicar em cada um deles, pode conferir a senha para editá-la ou excluí-la.

Interessante! Esse gerenciador do Google Chrome também permite que você faça um “check-up” de suas senhas.

Ao selecionar essa opção, você vai receber um breve relatório sobre senhas que podem estar comprometidas, senhas repetidas ou senhas fracas que precisam ser trocadas.

Seguir essas orientações é opcional, mas vale a pena considerá-las em nome da sua segurança.

Quando a biometria é uma alternativa mais segura?

O recurso de salvar senhas do Google Chrome foi criado para facilitar sua vida, mas não é a única solução com essa finalidade na hora dos logins.

Atualmente, em diferentes casos, é possível usar a biometria, ou seja, o leitor de impressão digital para não ter que digitar a senha de acesso ou deixá-la salva em um navegador.

A biometria é mais comum em smartphones como o ObaSmart 3. Se o seu aparelho tiver essa tecnologia, sugerimos que você a adote para acessar aplicativos.

Nos notebooks, a biometria já começou a aparecer. Entretanto, a solução não costuma ser válida para acessar sites, sendo usada apenas para garantir acesso ao dispositivo.

Ainda assim, é um bom recurso inclusive para quem salva senhas no Google Chrome.

Se alguém roubar ou tentar usar seu notebook, não vai conseguir acessá-lo porque cada impressão digital é única.

Assim, mesmo em mãos erradas, fica mais difícil para que alguém veja as senhas que você tem no banco de dados do Chrome.

Conclusão

Salvar senhas no Google Chrome pode ser seguro desde que você só permita esse salvamento em computadores de uso pessoal e protegidos por senha ou biometria.

Em todo caso, pode ser válido escolher quais senhas salvar e quais seguir digitando sempre que preciso.

Ainda, uma vez que você decidir utilizar o recurso, é importante saber como editar senhas, se preciso, ou até como desabilitá-lo. Processos que mostramos no post para que você tenha como garantir sua máxima proteção.

Quer continuar se informando? Leia também: A segurança na ponta dos dedos: tudo sobre a biometria digital no celular!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *