A fototerapia é uma forma de terapia que se baseia na utilização de luzes especiais para tratar doenças e até para reverter ou minimizar alguns sinais da idade.

No post de hoje, você vai conhecer um pouco mais sobre essa terapia. Pode ser que um tratamento fototerápico seja o que você precisa para melhorar a sua qualidade de vida. Continue a leitura e descubra!

Os principais usos da fototerapia

É provável que a fototerapia neonatal seja a mais conhecida, ainda que você não a reconheça por este nome. A terapia é o tratamento aplicado a recém-nascidos que apresentam quadro de icterícia.

Essa condição se caracteriza pelo excesso de bilirrubina no sangue, algo que acontece em razão de processos naturais do organismo que acabam por liberar a substância de tons amarelados. O fígado do bebê é responsável por descartar essa substância por meio da urina, mas por ser muito jovem, nem sempre consegue.

A fototerapia é indicada porque o tratamento ajuda o organismo do bebê a eliminar a substância. Uma vez que controlada rapidamente, a icterícia deixa de apresentar riscos.

Esta não é a única condição clínica a que o uso da fototerapia é indicado, porém. O tratamento de doenças de pele como psoríase, eczema, urticária e vitiligo também pode ser feito por meio da aplicação de luzes especiais.

Em geral, falamos de problemas associados ao sistema imunológico que é impactado pelas luzes especiais utilizadas na fototerapia. Algo que ajuda a tratar as doenças de pele, garantindo uma aparência mais homogênea e a redução de eventuais incômodos e dores relacionados.

A fototerapia capilar, por sua vez, é uma possibilidade que pode ser indicada para o tratamento da caspa ou até mesmo para estimular o crescimento e reduzir a queda capilar excessiva.

Nosso cabelo está entre os últimos componentes de nosso organismo a receber qualquer tipo de nutriente proveniente da nossa alimentação. Por vezes, reverter a queda depende de adotar hábitos alimentares mais saudáveis e ingerir vitaminas.

Além disso, aumentar a vascularização da região do couro cabeludo pode fazer com que seja mais fácil para o sangue percorrer a área levando consigo os nutrientes ingeridos. E é justamente para isso que as luzes são utilizadas.

Há ainda a fototerapia estética que visa promover a eliminação de manchas da face e das mãos e o rejuvenescimento da pele.

Fototerapia no tratamento da rinite

Outro uso da fototerapia que queremos destacar é no tratamento da rinite. Só quem lida com este problema sabe como essa alergia respiratória, ainda que não seja grave, pode ser bastante desconfortável e inconveniente.

Nariz congestionado, espirros e tosse frequente estão entre os principais sintomas que podem ser enfrentados por longos dias. Fatores como poeira, cheiros (perfume, flores, etc) e a variação climática podem desencadear quadros de rinite ― um problema que não tem cura.

Quem sofre com a doença busca tratamento clínico porque os medicamentos prescritos pelos médicos podem ajudar a aliviar os sintomas e controlar a alergia. Mas nem sempre isso basta.

Para ajudar, a fototerapia pode ser utilizada por meio de um pequeno aparelho capaz de emitir luzes led vermelhas de ondas curtas, o DIFRA. O que esse aparelho faz é deixar o sangue mais fluido, o que alivia a sensação de congestão nasal e ajuda o organismo a eliminar os agentes que causam a alergia.

DIFRA é sigla para Dispositivo Fototerápico para Rinite Alérgica, um tratamento não-medicamentoso eficaz e prático. O aparelho é pequeno e deve ser colocado nas narinas ― o que não causa dor ― e utilizado por cerca de cinco minutos para fazer efeito.

Como funciona e quem pode recorrer à fototerapia

A fototerapia resulta em procedimentos não invasivos que, como dito, se baseiam no uso de luzes especiais. A luz é um tipo de onda eletromagnética que é visível a nós e que pode ter comprimentos diferentes.

Não vamos nos aprofundar em questões técnicas, mas é interessante dizer que é justamente a variação no comprimento de onda que determina os efeitos da fototerapia em cada caso.

A fototerapia pode ter efeito anti-inflamatório, imunossupressor e também diminuir a superprodução de células em determinados locais da pele. Algo que varia de acordo com o tratamento necessário.

Na maioria dos casos, a fototerapia precisa ser indicada por um médico, mas há exceções, como é o caso do DIFRA.

Quanto aos tratamentos estéticos, a recomendação é para que você não subestime a importância de buscar orientações. Sabemos que muitas pessoas se animam com a ideia de suavizar sinais da idade e, por isso, chegam até a temer que um profissional desencoraja a busca por um tratamento.

Visando a própria saúde e a conquista de um bom resultado, porém, uma consulta com um dermatologista é indicada antes de buscar qualquer procedimento de fototerapia estética.

Uma vez que você tiver as orientações necessárias para a fototerapia, lembre-se de que as luzes especiais usadas no tratamento podem ser nocivas aos olhos e causar danos. Por essa razão, o uso de óculos protetores é recomendado na maioria dos casos.

Quanto a isso, vale esclarecer que uma vez que o DIFRA é colocado nas narinas e acionado, as luzes led vermelhas ficam no interior das cavidades e, por isso, não apresenta riscos. Não convém, porém, acionar o equipamento e apontá-lo diretamente para os olhos.

Contraindicações da fototerapia

Ainda que seja um tratamento simples e indolor, a fototerapia possui contraindicações que precisam ser respeitadas. Veja:

  • a fototerapia não deve ser aplicada em grávidas ou mulheres com útero potencialmente gravídico;
  • também não é indicada a pessoas que tenham epilepsia;
  • o tratamento não pode ser aplicado sobre áreas em que injeções esteróides foram aplicadas nas últimas duas ou três semanas;
  • a fototerapia também não pode ser aplicada em áreas com sangramento ativo ou diretamente em feridas abertas contaminadas;
  • não é recomendado que as luzes sejam direcionadas sobre gânglios simpáticos, bem como em áreas com tecido potencialmente canceroso ou com suspeita da doença;
  • a fototerapia também não deve ser aplicada no pescoço ― em especial na região do seio carotídeo e tireoide ― ou no peito ― sobre o nervo vago e o centro do tórax.

Como você sabe, não convém ignorar as situações de contraindicação. Por isso, em caso de dúvidas sobre a indicação ou não de seu caso para o tratamento com a fototerapia, consulte um médico.

Gostou do post? Leia também Tratamento contra rinite alérgica sem remédios e conheça melhor o DIFRA!

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *