Dados do Ministério da Saúde indicam que a artrose atinge cerca de 15 milhões de pessoas no Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é a quarta no ranking daquelas que mais diminuem a qualidade de vida das pessoas.

Saber disso pode trazer um misto de alívio por entender que é uma situação conhecida por muitas pessoas e de receio pela possibilidade de viver com menos alegria e conforto do que gostaria.

Com isso em mente, preparamos um post especial sobre o assunto com foco em cuidados que você pode ter para cuidar melhor de suas articulações, prevenir ou minimizar os efeitos da artrose. Acompanhe!

O que é artrose

Quando o problema são as articulações, é comum confundir artrose com artrite ou até pensar que é tudo a mesma coisa. Adiante, vamos ajudar você a entender as diferenças, mas antes, vamos focar na explicação da doença que estamos abordando neste post.

A artrose é uma doença articular degenerativa, sendo caracterizada pelo desgaste da cartilagem das articulações e por alterações ósseas ao redor da região afetada.

Caso você ainda não saiba, a cartilagem que se localiza nas articulações tem a função de permitir que duas extremidades ósseas se movimentem sem atrito. Quando essa estrutura é comprometida, movimentos antes feitos com facilidade podem causar dor, a região pode sofrer inchaço e essa combinação de fatores pode provocar limitações.

Uma pessoa artrose nos dedos da mão, por exemplo, pode ter dificuldades para segurar ou manusear objetos como fazia antes que a doença surgisse e se agravasse.

Esse exemplo nos serve, inclusive, para indicar que a artrose pode acometer qualquer articulação do corpo, mas é mais comum nas mãos, joelhos e quadris, além da artrose na coluna.

Infelizmente, a artrose não tem cura e a tendência é de que piore com o tempo, mas há tratamentos que podem desacelerar o avanço da doença, aliviar a dor e melhorar a função articular.

Diferenças entre artrose e artrite

A artrite é uma inflamação articular que também pode causar alterações ao redor da região afetada e que não possui cura. Entretanto, não é considerada uma doença, estando relacionada a outros problemas.

A causa da artrite não é clara, mas entende-se que algumas enfermidades como a gota, a psoriasis, o lúpus e a própria artrose pode desencadear a inflamação característica da artrite.

Assim, a principal diferença entre elas é que a artrose é uma doença e a artrite é consequência de alguma outra condição orgânica. Além do mais, a artrite não provoca desgaste da cartilagem, consequência característica da artrose.

Ainda, a artrite pode acometer outros órgãos como olhos, coração pulmão e pele e estar relacionada a outras doenças como hipertireoidismo, osteoporose e doenças cardiovasculares.

Causas, sintomas e tratamentos da artrose

Informações da Sociedade Brasileira de Reumatologia dão conta de que 85% das pessoas têm ou vão ter alguma evidência de artrose por volta dos 75 anos de idade. Algo que pode ser percebido tanto por meio de exame clínico quanto de radiografias.

Existem dois tipos de artrose, a primária e a secundária e para falar sobre suas causas, precisamos fazer essa separação:

Artrose primária

A artrose primária não tem causa específica, mas acredita-se em uma relação entre o uso excessivo de uma articulação, assim como com o envelhecimento natural do ser humano.

Com isso, esse tipo de artrose é mais comum em idosos, sendo que as reclamações mais comuns são de casos de artrose nos joelhos, na coluna e em pequenas articulações das mãos e dos dedos.

Artrose secundária

Por sua vez, a artrose secundária tem fatores claros associados ao processo degenerativo que ocorre nas articulações. Entre eles estão um eventual trauma por movimentos repetitivos, uma condição que o indivíduo tenha desde seu nascimento, uma doença ou a obesidade.

Em geral, é esse o tipo de artrose que acomete pessoas que ainda não são consideradas idosas já que as causas da doença podem estar presentes em diferentes estágios da vida.

Sintomas da artrose

Independente de qual tipo de artrose uma pessoa tem, o que se sabe é que a dor é principal sintoma, ainda que não esteja presente em todos os casos.

É comum que nos estágios iniciais da doença a dor surja em decorrência da movimentação da articulação comprometida e desapareça com o repouso. Posteriormente, porém, com o agravamento do quadro de artrose, a dor pode ser persistente.

Além disso, o inchaço e a diminuição da função da articulação estão entre os sintomas da artrose, assim como uma eventual deformação da área atingida.

Exames e diagnóstico

Uma pessoa pode suspeitar ter artrose por conhecer as características da doença e identificar em si algum dos sintomas. Entretanto, a análise clínica é crucial para o diagnóstico que, eventualmente, pode depender de exames simples como a radiografia.

A avaliação médica é importante para confirmar o diagnóstico uma vez que a artrose tem sintomas comuns a outras doenças articulares.

Tratamento da artrose

Como mencionado, a artrose não tem cura, mas seus tratamentos podem aliviar as dores, minimizar a perda da função e retardar o avanço da doença. Uma combinação de fatores que favorece para a manutenção da qualidade de quem convive com o problema.

É um médico quem vai indicar a necessidade de medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios que podem ser de uso oral ou aplicados diretamente sobre a articulação afetada ― a famigerada infiltração.

Além disso, há terapias não-medicamentosas como a fisioterapia, a hidroterapia e a prática de outras atividades físicas adequadas à faixa etária a outras condições de cada indivíduo.

Como cuidar de suas articulações

A artrose, infelizmente, não pode ser prevenida. Cada pessoa, porém, pode seguir recomendações para retardar o surgimento da doença e, posteriormente, a sua progressão.

O diagnóstico precoce está entre as formas de alcançar essa situação e, por essa razão, caso você suspeite que está com artrose, não tarde em procurar ajuda médica.

Dito isso, temos as seguintes recomendações sobre o que é bom para artrose, digamos assim, para que você cuide bem de suas articulações:

  • Mantenha uma vida ativa com atividades físicas adequadas ao seu perfil, incluindo o alongamento em sua rotina;
  • Entenda que ter mais massa magra (músculos) evita a sobrecarga de ossos e articulações e contribui para retardar o surgimento da doença. Por isso, não descarte a musculação de cara;
  • Siga uma alimentação saudável porque ainda que não exista uma dieta específica de prevenção, comer bem evita a obesidade, condição associada à inflamação do organismo. Lembre-se de que é possível comer bem seguindo receitas bacanas!;
  • Considere o uso de calçados ortopédicos para evitar o agravamento do desgaste de suas articulações. Dica: tire um tempinho para ler nosso post sobre a importância da escolha dos calçados na terceira idade;
  • Aposte em técnicas alternativas como massagens e acupuntura para auxiliar no tratamento da dor caso você já conviva com o problema;
  • Consulte um médico sobre a possibilidade do uso de suplementação para estimular a produção de colágeno visando a melhoria da função articular.

Como visto, a artrose não tem cura e é um problema que, eventualmente, pode surgir na vida de qualquer um já que uma de suas causas é o envelhecimento natural de nossos corpos.

Desde cedo, porém, uma vida ativa com foco na saúde do organismo pode ajudar a prevenir e a minimizar as consequências da doença uma vez que essa surge.Você já tem artrose e a doença provoca dificuldades para caminhar?

Conheça a Obacane, a bengala dobrável da Obabox que vai tornar sua rotina mais segura e confortável!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *