Qual é a primeira música ou o primeiro artista que vem à sua mente quando o assunto é a Música Popular Brasileira, também conhecido como MPB? Sabe explicar que gênero musical é esse? Conhece sua história?

Para muita gente, o importante é ter música boa na caixinha de som conectada ao serviço de streaming ou tocando em uma vitrola como a ObaVintage. Se, além disso, você gosta de aprender um pouco mais sobre aquilo o que ouve, siga em frente com a leitura deste post.

Há muito o que pode ser dito sobre a MPB e, aqui, nos propusemos a dar um panorama sobre esse movimento. Esperamos que você goste!

Contexto e história da MPB

A MPB é um movimento musical brasileiro que teve início em meados da década de 1960, misturando influências e uma boa dose de referências do folclore brasileiro.

Na concepção de muitos, a MPB é uma segunda geração da Bossa Nova ou uma “filha” desse movimento que se oficializou em 1958.

Apesar de influências, há mudanças que foram impulsionadas pelo contexto e que resultaram em uma produção cultural muito importante para a história do país.

A Bossa Nova era a favor da inovação cultural, de uma música mais sofisticada e moderna o bastante para ganhar o mundo, ou seja, se internacionalizar. Por sua vez, o folclore fincava suas raízes na cultura nacional.

As vertentes se uniram em uma frente cultural contra a ditadura militar que teve início em 1964. De início, a sigla usada era MBM, em referência à Música Popular Moderna, mas foi como MPB que o movimento se consolidou.

A saber, além do jazz trazido pela Bossa Nova e das influências folclóricas, a MPB também se construiu a partir de gêneros musicais europeus e africanos.

Talvez isso tenha a ver com uma eventual dificuldade em definir o que é a MPB ou que tipo de música faz parte desse movimento.

As características e o gênero musical da MPB

Se partirmos do presente para o passado, fica mais fácil perceber que a Música Popular Brasileira evoluiu para algo mais abrangente do que o movimento propôs a princípio.

especialistas que avaliam que o termo MPB remete à canções que foram produzidas como forma de expressão cultural e protesto durante a ditadura e que, na verdade, tudo o que se produz por aqui é Música Popular Brasileira.

Ainda, consideram que existe a ideia de que a MPB seja associada a pessoas mais vividas que tiveram a oportunidade de acompanhar o surgimento e o auge do movimento. Algo que, talvez, seja capaz de afastar os mais novos.

Trouxemos essas reflexões, que são pontos de vista e não necessariamente fatos, apenas para ilustrar a dificuldade envolvida na tentativa de enquadrar a MPB em um único gênero.

Para facilitar, talvez o caminho seja avaliar suas características considerando que, a partir disso, você e qualquer outra pessoa pode ter mais facilidade para identificar o que é MPB ao ouvir MPB.

A maioria das músicas que se enquadra no movimento são executadas à base de voz e violão ou voz e piano. Muitas das vezes, são apresentadas em estilo acústico.

Nessas músicas da MPB, é possível encontrar elementos do samba, da Bossa Nova, do soul, do rock ou até do funk afro-americano. Algo que nos leva, inclusive, ao samba-rock e ao pop nacional.

Expressão, nomes e canções que marcaram a MPB

A MPB da década de 1960 surgiu com um forte perfil nacionalista que, aos poucos, foi se flexibilizando para acolher novas influências.

De início e por um considerável período de tempo, se concentrou em ser uma forma de expressão e resistência contra o movimento político ditatorial para, só depois, abraçar novas temáticas.

Como você provavelmente já sabe, a ditadura militar brasileira foi marcada, entre outras coisas, pela censura. Músicas, assim como outros produtos culturais, passavam por forte fiscalização que era capaz de impedir seu lançamento caso ideias consideradas inapropriadas fossem identificadas.

É por essa razão que a MPB se fez valer de metáforas e mensagens subliminares para driblar a censura e mandar seus recados a quem fosse capaz de compreendê-los.

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores, de Geraldo Vandré, é uma das músicas da MPB que marcaram época a ponto de ser reconhecida como um dos hinos contra a ditadura.

Fato é, porém, que a MPB não se expressou somente em relação à ditadura. A abertura a outros temas e elementos pode ser percebida com uma breve apresentação de algumas das principais músicas do movimento. Veja só:

Arrastão

Composta em 1965 por Vinícius de Moraes e Edu Lobo, Arrastão foi apresentada e premiada com interpretação de ninguém menos do que Elis Regina.

Para muitos, além de ser o marco de início da carreira de uma das maiores cantoras brasileiras, a música é também um marco do início da MPB.

Disparada

Disparada é uma música de Geraldo Vandré e Théo de Barros, com interpretação de Jair Rodrigues, lançada em 1966.

Foi vencedora do Festival de Música Brasileira daquele ano, dividindo o primeiro lugar com A Banda, de Chico Buarque.

A Banda

A Banda foi composta e interpretada por Chico Buarque que é um dos principais nomes entre os cantores da MPB e outros agentes desse movimento musical.

Ao lado de Disparada, foi considerada a música marco da transição da Bossa Nova para aquilo o que passou a ser chamado de Música Popular Brasileira.

Gostava Tanto de Você

Gostava Tanto de Você é uma canção de 1973, composta por Edson Trindade e interpretada por Tim Maia. Se você pesquisar por seu título, vai encontrar fontes que a classificam como pertencente a gêneros como o samba e o soul.

A verdade é que não há ninguém errado em sua avaliação e escolhemos apresentar Gostava Tanto de Você neste post justamente para dar uma ideia de como a MPB se ampliou com o passar do tempo.

Como Nossos Pais

Como Nossos Pais é uma canção de Belchior lançada em 1976, sendo considerada um dos maiores clássicos nacionais. Se você gosta de listas e rankings, saiba que a música aparece na lista das 100 maiores músicas brasileiras da revista Rolling Stone.

Ainda que tenha sido gravada pelo próprio Belchior, que é uma figura importante entre os cantores da MPB, a canção se tornou memorável mesmo na voz de Elis Regina.

A nova MPB

Tem gente que limita a chamar de MPB aquilo que nasceu exclusivamente do movimento iniciado na década de 1960. Um resgate histórico, porém, nos indica que outros movimentos como a Jovem Guarda e a Tropicália também fazem parte da MBP.

Além disso, considerando aquelas características que apresentamos sobre a Música Popular Brasileira, também existe conteúdo sendo feito agora que pode ser classificado como MPB ou como nova MPB.

Artistas como Maria Gadú, Tiago Iorc, AnaVitória fazem parte desse grupo e, inclusive, ajudam a fazer uma ponte entre o movimento que começou décadas atrás e as gerações atuais.

Com isso, certamente não precisamos taxar que MPB é música para pessoas mais vividas, assim como não precisamos dizer que só os mais jovens escutam os novos nomes da Música Popular Brasileira, não é mesmo?

Se você gosta dessa ideia de resgatar a passado para conhecer mais sobre a cultura nacional, leia também o post Aumente o som: a história dos movimentos musicais brasileiros!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *