O assunto é tecnologia e inovação e você gosta de estar por dentro. Então, vamos a uma pergunta: você sabe o que é Internet das Coisas (IoT)?

É possível que você já tenha ouvido ou lido algo sobre IoT em algum lugar. O curioso, porém, é que existe a possibilidade de você já ter entrado em contato ou que conheça essa tecnologia ainda que não saiba.

Isso é sinal de que está mais do que na hora de saber do que estamos falando, não acha? Siga em frente e boa leitura!

A IoT já está entre nós

Você decidiu adotar uma vida mais saudável e começou a praticar caminhada e leves corridas. Pouco a pouco, foi tomando gosto pelo exercício e decidiu tentar um treino mais intenso para conseguir correr uma pequena maratona de rua.

Seguindo indicações de amigos, comprou um smartwatch, ou um relógio inteligente, para usar no dia e a dia e, sobretudo, enquanto faz seus treinos de corrida.

Um smartwatch é um dispositivo com sensor e que deve ser conectado a seu smartphone por meio de um aplicativo. É nesse aplicativo que você encontra informações sobre cada treino feito: percurso, ritmo cardíaco, velocidade média, distância percorrida.

Com isso, em seu celular, você passa a ter dados coletados pelo seu relógio inteligente que indicam todo seu progresso e até orientam seu treino, visando sua evolução. Isso é possível graças à IoT.

O que é IoT, afinal?

O exemplo vai fazer com que seja mais fácil para que você entenda o que é Internet das Coisas ou IoT, seguindo a sigla baseada no termo em inglês Internet of Things.

IoT é um termo genérico que engloba tecnologias que são capazes de se conectar por meio da internet e, mais importante, gerar, coletar, armazenar e comparar dados.

A Internet das Coisas, porém, não se resume a dispositivos capazes de se conectarem ou se comunicarem. Falamos, na verdade, de objetos inteligentes que conseguem inclusive gerar respostas aos dados coletados ou recebidos.

Como identificar um objeto inteligente

Além do smartwatch, assistentes virtuais como a Alexa ― uma espécie de “caixa de som” que pode interagir com você, respondendo suas perguntas e obedecendo a comandos ― também estão entre as soluções de IoT conhecidas.

Com isso em mente, como saber se outros objetos ao nosso redor são ou não exemplos de tecnologias baseadas na Internet das Coisas? Vamos a um breve guia que ensina que um objeto inteligente deve:

  • ter um nome e um endereço na internet;
  • capacidade de enviar e receber informações de outros dispositivos ― ou seja, de se comunicar da mesma forma que um smartwatch faz com um smartphone;
  • ser capaz de oferecer respostas às informações recebidas;
  • ser equipado com um sensor que detecta fenômenos como a velocidade, o calor e outros;
  • ter uma capacidade básica de processamento de dados.

Para ajudar, tenha em mente que um objeto baseado em IoT é aquele capaz de trocar informações com outros objetos por meio de uma conexão wi-fi.

As aplicações da Internet das Coisas

A expectativa é de que a IoT se desenvolva de forma a permitir que cada vez mais objetos estejam conectados entre si e demandem menos intervenção humana para operar.

Com a tecnologia que temos hoje, esse tipo de comunicação e “independência” dos objetos já acontece em certo nível. A seguir, apresentamos alguns exemplos de Internet das Coisas para que você conheça soluções que já fazem e outras que logo devem fazer parte da nossa realidade:

Wearables

Wearable é o termo utilizado para fazer referências a tecnologias ou dispositivos vestíveis. O smartwatch é um exemplo dessa solução, mas para ampliar seu entendimento, agora vamos focar em um wearable especialmente desenvolvido para os diabéticos.

Talvez você já até tenha visto por aí alguém com uma espécie de “botão” adesivo colado na pele. É mais ou menos com isso que se parece um dos modelos de wearable que faz o monitoramento frequente de glicose.

Ao longo do dia, o dispositivo vai coletando as informações e, uma vez conectado a um smartphone, repassa os dados para que o usuário saiba como está a sua saúde.

A tecnologia substitui as medições tradicionais feitas com o glicosímetro e, de quebra, permite acesso facilitado a um relatório de dados sobre as variações da glicose do indivíduo ao longo do tempo.

Algo que pode melhor orientar o tratamento e melhorar a qualidade de vida do diabético;

Sensores industriais

A indústria já conta com diferentes tipos de sensores industriais conectados à softwares e que são utilizados para reduzir a participação humana em determinados processos.

Imagine uma caldeira de amplas dimensões e cujo acesso é difícil e depende do uso de equipamentos de segurança. Sua temperatura precisa ser constantemente controlada e, para isso, um sensor envia informações atualizadas a um computador sobre o estado do líquido ali processado.

Assim, um alerta pode ser emitido toda vez que um trabalhador acione os comandos para baixar ou diminuir o fogo, sem grandes dificuldades, garantindo o sucesso na produção;

Carros autônomo

Se você se interessa por tecnologia, é bem provável que já tenha ouvido algo sobre os testes realizados com carros autônomos. Essa tecnologia de automóveis que podem trafegar por aí sem que sejam pilotados por uma pessoa é um exemplo de IoT.

Para quem um veículo trafegue sem interferência de um condutor humano, é preciso que uma extensa rede de comunicação esteja em pleno funcionamento. Entre outros fatores, um software deve estar preparado para trocar dados com o veículo sobre seu trajeto, desvios, semáforos, velocidade e vários outros detalhes.

A infraestrutura necessária ainda precisa evoluir e, ainda que testes já estejam em curso, a expectativa de especialistas como John Krafcik, CEO da Waymo, é de que carros autônomos ainda demorem décadas para realmente ocuparem as ruas.

Em todo caso, além de adequações na legislação, o que precisamos é do aprimoramento das tecnologias que possibilitam as soluções de Tecnologia das Coisas.

Casas inteligentes

Já pensou em conseguir desligar as luzes de sua casa mesmo quando não estiver lá? Ou conseguir trancar e destrancar um portão para dar acesso temporário a alguém, mesmo estando longe? E que tal ter uma casa que identifique sua presença e ligue o ar-condicionado para você?

Esses são alguns exemplos de soluções baseadas em Internet das Coisas que criam o que já recebe o nome de casa inteligente ou smart home.

E não para por aí. Existem soluções de IoT sendo projetadas para criar até mesmo cidades inteligentes para, por exemplo, reordenar o funcionamento dos semáforos de acordo com o trânsito a cada momento.

Gostou do post e quer aprender mais sobre inovação? Leia também sobre o que é realidade virtual e fique cada vez mais por dentro das novas tecnologias!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *