Você conhece a história do Facebook? Em 2019, o “Face” completou 15 anos, registrando a marca de 2,3 bilhões de usuários em todo o mundo. O aplicativo está entre os mais baixados pela população, sendo a rede social mais utilizada do planeta.

Neste post, vamos falar um pouquinho sobre a criação do aplicativo, além de apresentar dados sobre o seu sucesso ao longo de sua existência. A ideia é mostrar alguns pontos da história e da trajetória do Facebook até os dias de hoje. Vamos lá?

O embrião do Facebook

O Facemash, embrião do Facebook, nasceu graças à três estudantes de Harvard, uma renomada universidade dos Estados Unidos: Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz e Chris Hughes.

O nome Facebook, em tradução literal para o português seria algo como “livro das caras/faces”. Os estudantes se inspiraram no apelido dado a um livro feito para que os calouros das universidades americanas se conhecessem, apresentando nome, foto e algumas informações sobre cada um.

A princípio, o Facebook era restrito apenas aos alunos de Harvard. E acredite ou não, a ideia inicial de Zuckerberg e seus amigos era classificar as pessoas da universidade entre os atraentes e os não atraentes.

As habilidades em informática avançada de Zuckerberg foram essenciais para que o trio conseguisse acesso ao sistema de Harvard para coletar fotos dos alunos. Alguns, chateados por estarem sendo avaliados em um jogo que julga aparências, mudaram seus perfis para esconder a sua imagem.

Ao invés de afastar as pessoas do Facemash, porém, essa ação atraiu ainda mais a atenção dos estudantes. O programa fez tanto burburinho que foi encerrado pelos executivos de Harvard, que até pensaram em expulsar Mark Zuckerberg da instituição.

O surgimento do Facebook

Um tempo depois da confusão, em  de fevereiro de 2004, Zuckerberg relançou sua ideia dando início ao site thefacebook.com.

Logo, reconhecendo o potencial da criação, ampliou o acesso para além dos muros de Harvard, incluindo alunos de outras escolas como o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, a Universidade de Boston, Stanford e Yale.

Em 2005, o site já tinha 5 milhões de membros ativos e foi naquele ano que passou a ser conhecido apenas como Facebook. Algo que só aconteceu depois que Sean Parker se tornou investidor anjo da criação de Zuckerberg e seus colegas, o que levou à compra do domínio ― o endereço do site na internet ― por US$ 200 mil.

Assim surgiu o Facebook, que logo fez de Zuckerberg o mais jovem multibilionário do mundo. Mas não se engane de pensar que tudo foram flores na trajetória do aplicativo e do criador que se tornou a face da empresa.

Como tudo aquilo o que envolve muito dinheiro, o Facebook de Zuckerberg se viu envolto à muitas polêmicas e até ações judiciais ao longo dos anos. Há, inclusive, quem desgoste bastante do americano por considerá-lo antiético e ter críticas às suas condutas de mercado.

A chegada do Facebook ao Brasil

Segundo Mark Zuckerberg, o objetivo do Facebook é conectar as pessoas. Era de se esperar que, com o sucesso que o site viveu somente em seus primeiros anos de criação, fronteiras logo fossem cruzadas.

Em 2007, o Facebook recebeu suporte em língua portuguesa e chegou oficialmente ao Brasil. Dados divulgados pela Statista em 2019 apontaram que nosso país é o terceiro com o maior número de usuários do mundo:

  1. Índia, com 300 milhões de pessoas;
  2. Estados Unidos, com 210 milhões de pessoas;
  3. Brasil, com 130 milhões de pessoas.

Os brasileiros sempre utilizaram o Facebook de forma muito intensa. Inclusive, nossos internautas são conhecidos em boa parte do mundo por seu comportamento e presença ativa nas redes sociais.

Nos últimos tempos, porém, a rede de Mark Zuckerberg tem perdido um pouco de seu poder por aqui. Segundo o relatório Digital in 2019, o aplicativo perdeu o posto supremo de mais utilizado no país, cedendo o topo para o Youtube.

Para explicar a questão, o professor Arthur Igreja, especialista em tecnologia e inovação pela FGV, avalia que a queda do número de usuários brasileiros do Facebook pode estar associada à migração para outras redes. O WhatsApp e o Instagram estariam entre os aplicativos que passaram a receber mais atenção das pessoas.

Além disso, o professor menciona a forte polarização política da última eleição como fator. Isso porque, as divergências causaram muitas brigas no Facebook, causando até “cancelamentos” de amizades e distanciamento entre pessoas queridas. De certa forma, ele acredita que isso possa ter manchado a imagem da rede para alguns brasileiros.

“Um aplicativo do Facebook”

A oscilação do número de usuários brasileiros do Facebook, assim como o crescimento de outras redes sociais não implica no fim certeiro do império de Mark Zuckerberg.

Uma linha do tempo simples nos ajuda a resgatar na história do Facebook acontecimentos importantes que contribuíram para a popularização da rede e para a força de sua marca. Veja só:

  • 2009: introdução do botão de curtir;
  • 2010: abertura para a criação de grupos no Facebook;
  • 2012: registro da marca de um bilhão de usuários e compra do Instagram;
  • 2014: compra do WhatsApp;
  • 2015: introdução da ferramenta de transmissão de vídeos ao vivo no Facebook;
  • 2017: registro da marca do segundo bilhão de usuários.

Além disso, em 2016, 2018 e certamente em 2020, o Facebook foi e será foco de debates e polêmicas sobre questões políticas e eleições. Mark Zuckerberg inclusive já foi convidado a depor para o Congresso americano, visando esclarecer questões sobre a política de veiculação de informações de sua plataforma.

A compra de outros aplicativos poderosos, WhatsApp e Instagram, mostra o poder do Facebook no universo digital. Para alguns, mostra também a sede de Zuckerberg em dominar o meio.

Sem focar nas polêmicas porque não é nosso objetivo detalhá-las e analisá-las aqui, a linha do tempo do Facebook mostra seu poder. A criação de Zuckerberg e de seus colegas de Harvard mudou a forma como nos conectamos e nos comunicamos pela internet.

Diante do novo, o Facebook foi e segue sendo pioneiro na apresentação de novidades no digital e na busca de soluções de segurança. O fato de a plataforma ter se tornado alvo de debates políticos e sociais sérios mostra que o Facebook foi capaz de transformar tanto a sociedade que nos deparamos com questões que sequer sabemos como lidar.

Como saber mais sobre a história do Facebook?

Se este post deixou você interessado em saber um pouco mais sobre a história do Facebook, nossa dica é para que você procure pelo filme A Rede Social. A obra foi lançada em 2010, com direção de David Fincher faz uma leitura sobre a criação da plataforma.

Parte da crítica aponta que A Rede Social “maquiou” a história verdadeira, mas é uma boa fonte de diversão que pode ajudar você a entender um pouco melhor esse fenômeno que é o Facebook