Se você é como nós da Obabox, provavelmente adora um resgate histórico para saber mais sobre questões como a evolução do celular. Você já parou para pensar em como fomos dos “tijolões” para os smartphones?

Há algumas décadas, ter um aparelho celular era coisa para poucos ― geralmente, algo buscado por aqueles que faziam parte do universo corporativo. Gradativamente, a situação foi evoluindo a ponto de muita gente já alegar não saber viver sem celular.

A verdade é que os dispositivos móveis se tornaram tão práticos e úteis que fazem parte da vida da maioria dos cidadãos. No mercado atual, temos modelos recomendados para crianças e até celulares para idosos. Bora conferir como chegamos a essa realidade?

Mais antigo do que você imagina

O ano era 1990 quando um celular chegou ao Brasil, mais especificamente ao Rio de Janeiro, pela primeira vez. Mas engana-se se você pensa que a revolução provocada pelos dispositivos móveis começou ali.

Chamado de Motorola DynaTAC 8000X, o primeiro celular do mundo foi inventado pelo americano Martin Cooper, em 1983. O aparelho era maior do que os telefones fixos sem fio que encontramos e usamos hoje em dia.

A história da telefonia móvel, porém, é ainda mais antiga. Ainda em 1947 ― mais de 70 anos atrás, contados a partir da data de publicação deste artigo ― engenheiros buscavam uma forma de tornar a comunicação mais rápida e prática.

O entrave era a falta de tecnologia avançada o suficiente para criar algo que fosse parecido ou que pudesse ser classificado como o primeiro celular do mundo.

Muita água precisou rolar debaixo da ponte para que o objetivo de tornar a ideia de telefonia móvel possível fosse alcançado. Na ponta do lápis, do ano em que os engenheiros fizeram seus primeiros esforços até o sucesso de Cooper com o lançamento do DynaTAC 8000X, passaram-se 36 anos!

O DynaTAC e as primeiras conquistas do mundo “mobile”

O DynaTAC reinou sozinho no mundo dos celulares por sete anos. O Motorola PT-550, modelo relativamente menor e que tinha uma aba em flip para proteger as teclas, chegou apenas em 1990. Inclusive, este foi o celular que desembarcou no Brasil.

Por muito tempo, os celulares serviam apenas para fazer ligações; algo perfeitamente apropriado ao seu objetivo primordial. Em 1992, porém, a primeira mensagem de texto, também conhecida como SMS, foi enviada.

Em 1996, o Motorola StarTAC chegou ao mercado: o primeiro aparelho dobrável da história, em um tamanho há bem reduzido em comparação ao DynaTAC.

Na história da evolução dos celulares, o StarTAC foi o pioneiro nos modelos de “flip”, como ficaram conhecidos. Diferentes designs seguindo a mesma proposta inundaram o mercado e encontram adeptos até hoje ― o que nos leva ao ObaFone flip, vendido atualmente pela Obabox e parceiros!

Ainda naquele ano, porém, outro avanço seria bem mais marcante. O lançamento do Nokia 9000 Communicator, o primeiro celular com acesso à internet causou impacto.

Tanto que, nos anos seguintes, a Nokia ganhou adeptos com aparelhos que se tornaram bastante populares. Em 1998, a empresa lançou o Nokia 6160 e o Nokia 5110. Mas foi em 2000 que um de seus modelos mais famosos foi apresentando ao mundo: o Nokia 3310. Lembra dele?

A evolução do celular no século XXI, o bluetooth e as câmeras

Quando do lançamento do Nokia 3310, a evolução do celular já tinha transformado os dispositivos móveis em aparelhos com mais utilidades além da realização de ligações.

A troca de SMS e o famoso “jogo da cobrinha” já faziam parte da vida de bastante gente. Algo que fez do celular mais do que uma ferramenta de comunicação, transformando-o, ainda naquela época, em um passatempo.

O avanço tecnológico, porém, ainda tinha novidades à apresentar. Em 2001, tivemos o lançamento do primeiro celular com bluetooth e do primeiro celular com câmera.

Hoje em dia, praticamente ninguém usa o bluetooth para fazer troca de dados entre aparelhos celulares.

Entretanto, a tecnologia que se popularizou naquela época segue presente, sendo aproveitada por exemplo para o envio de músicas de um serviço de streaming do celular para uma caixa de som portátil.

Além disso, a qualidade das fotos feitas pelos primeiros celulares com câmera sequer se comparam com o que temos hoje. Mas, você consegue pensar ou puxar na memória o quão incrível a novidade foi na época?

O primeiro Blackberry

Em 2002, foi lançado o primeiro aparelho com conectividade celular por meio da tecnologia GSM: o BlackBerry 5810. Por meio deles, era possível mandar e-mails, o que significava mais um marco na evolução dos celulares.

A essa altura, os celulares já estavam bem mais comuns na sociedade, sendo utilizados por pessoas de diferentes faixas etárias. Apesar disso, o mundo ainda estava prestes a conceber uma nova revolução que, gradualmente, impulsionou nossa conectividade e a “dependência” desses dispositivos móveis.

O primeiro iPhone

Em 2007, Steve Jobs lançou no mercado pela primeira vez o aparelho que liderou a revolução dos dispositivos móveis: o primeiro iPhone.

A tecnologia touchscreen já havia sido inventada anos atrás, porém pouco aproveitada. Em 1994, o IMB Simon foi apresentado ao mercado como a novidade que permitia a navegação pela agenda de contatos por meio do toque na tela.

Foi só com o Steve Jobs, porém, que os celulares do século XXI passaram a ter uma tela sensível ao toque ocupando quase toda a frente do aparelho e eliminando os botões físicos do teclado.

A tecnologia, as funcionalidades e a facilidade de uso ― destaques da Apple até os dias atuais ― lideraram a formação do mercado de smartphones.

O primeiro Dual Chip

Em 2011, tivemos o lançamento do primeiro aparelho dual chip. Essa evolução do celular, até hoje, permite que muita gente tenha dois números em um mesmo aparelho.

Uma funcionalidade considerada muito útil para quem quer usar o mesmo dispositivo para a vida profissional e a pessoal. Lembra-se de que dissemos que os celulares “tijolão” de décadas atrás eram mais comuns no universo corporativo?

À medida que os celulares se popularizaram, deixaram de ser vistos somente como ferramenta auxiliar de trabalho. Como consequência, para separar trabalho e vida privada, diversas pessoas passaram a carregar consigo dois dispositivos.

Algo que, como você pode imaginar, ainda que tenha sido visto como uma solução plausível, não era lá muito prático. Por essa razão, o dual chip segue fazendo sucesso até hoje.

Os celulares atuais e uma vida mais conectada para todos

Por muito tempo, o iPhone liderou o mercado e os modelos apresentados pela Apple instigaram outros fabricantes a apresentarem aparelhos tão bons quanto.

Sem muito esforço, você consegue encontrar discussões sobre qual sistema operacional é melhor ou sobre quais outros aparelhos são superiores (ou não) ao iPhone. Entre os fortes concorrentes, estão modelos da Samsung e os recém-chegados Xiaomi.

Quando o assunto são os celulares atuais, para além da disputa de preferências, a verdade é que temos verdadeiros mini computadores à disposição. As funcionalidades e praticidades atreladas ao uso desses aparelhos os tornaram basicamente indispensáveis.

Atualmente, existem até mesmo smartphones para idosos. Celulares modernos bem parecidos com os demais, mas com modificações para serem de mais fácil uso por aqueles que estão menos habituados à tanta tecnologia.

Com isso, os aparelhos se tornaram mais acessíveis. De um simples desejo de engenheiros de facilitar a comunicação, chegamos a um mundo em que podemos ler, assistir e fazer vídeos, enviar mensagens de WhatsApp, pedir carros e comida, pagar contas e mais.

Estima-se que o Brasil tenha 230 milhões de smartphones em uso. As projeções são para que este número só cresça, sobretudo se somado ao de tablets e notebooks. Nos resta pensar: o que será que a história da evolução do celular ainda guarda para nós?

Enquanto você imagina o que o futuro nos reserva, que tal saber mais sobre uma solução que já está ao seu alcance? Conheça o ObaSmart 2, o melhor celular para idosos!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *