Em função da correria em meio a uma vida agitada, muitas vezes as pessoas não conseguem ter tempo suficiente para ir até um local para adquirir um produto ou serviço, ou mesmo resolver algum problema bancário presencialmente. 

Isso tem um lado bom porque, com o advento das novas tecnologias, conseguimos dar andamento a nossa vida e resolver vários problemas pela internet ou telefone. 

Porém, tudo na vida tem um bônus e o ônus e, neste caso, a parte negativa, é que esse atendimento telefônico abre margem para que criminosos possam agir ilicitamente para sequestrar dados e cometer outros delitos contra as pessoas, resultando em prejuízos para a vida delas.

Na sequência, abordaremos alguns dos principais crimes que são cometidos por telefone para que você não seja vítima de nenhum deles e, caso isso ocorra, como lidar com essa situação. 

Principais Crimes Cometidos Por Telefone

Golpe do cartão clonado

Imagine que você recebe um contato por telefone e aí a pessoa do outro lado da linha pergunta se o seu cartão de crédito foi emprestado para alguém de outra cidade. 

Naturalmente, você negará o fato, mas aí o criminoso solicita que desligue o telefone e entre em contato com a operadora do cartão. 

Mas aí está o pulo do gato porque o golpista não encerra a ligação e a pessoa liga para o número e escuta uma gravação reproduzida pelo criminoso. 

No áudio, ele solicita dados pessoais e informa que um policial ou funcionário da operadora entrarão em contato. De posse dos dados, o golpista faz saques, compras e transferências bancárias. 

Mas o que fazer nestes casos? Se receber uma ligação informando que seu cartão foi clonado, entre em contato rapidamente com o gerente do banco. 

Golpe do falso sequestro

Esse é um dos golpes mais conhecidos, mas ainda assim, caso você não esteja atento, é possível cair nele. 

A pessoa atende o telefone e o golpista grita, se passando por uma pessoa sequestrada. Sem querer você fala o nome de um parente e o criminoso, de posse dessa informação, o ameaça exigindo transferência em dinheiro para o suposto resgate. 

Nestes casos, a medida é desligar imediatamente e fazer contato com as pessoas supostamente sequestradas para verificar se está tudo bem. 

Intermediador de vendas

O criminoso procura por anúncios de produtos em sites de vendas coletivas. Ele faz contato com quem está vendendo o produto dizendo que tem interesse e fará a compra.

Posteriormente a pessoa retira o produto da página de vendas. É aí que o golpista entra em cena, porque neste intervalo ele já copiou as fotos do site para fazer a mesma publicidade, porém com um valor bem abaixo do divulgado anteriormente.

Para convencer a futura vítima do golpe a comprar o produto, o suposto vendedor promete descontos exclusivos e pede para a pessoa ficar em silêncio. 

O golpista fornece várias contas para a transferência bancária e diz que eles precisam ir até a um cartório para formalizar o acordo, preenchendo o recibo de compra e venda. Tudo isso é para dar mais veracidade ao golpe. 

Quando as vítimas já preencheram o recibo e percebem o ato ilícito, o dinheiro já foi transferido e o golpe consumado. 

Nestes casos, fica a dica para não aceitar intermediação da negociação, deposite sempre o dinheiro na conta corrente do anunciante e jamais de terceiros e não mantenha o silêncio quando o assunto é negociação. 

Familiar internado

O criminoso, sem qualquer sensibilidade com sua angústia de estar você ou um parente seu internado, faz contato informando que o plano de saúde não cobrirá a totalidade dos procedimentos necessários naquele momento. 

Neste contexto, o suposto responsável pelo atendimento informa que é necessário depósito de um depósito caução para garantir a assistência médica. 

Fica a dica para, também nestes casos, agir com rapidez e fazer contato com o plano de saúde para esclarecer a dúvida e, o mais importante, não faça nenhum depósito em conta de terceiros. 

Familiar que quebrou o carro

Mais um golpe conhecido em família é aquele em que o golpista liga e diz: “Tio, quebrei meu carro, preciso de ajuda”. Nestes casos, é comum que a vítima pergunte se quem fala é algum familiar e o criminoso confirma. 

Obviamente, você não irá se recordar da voz, e o criminoso insiste: “Tio, o senhor se esqueceu de mim”. A pessoa fica constrangida e acaba cedendo. Neste momento, o golpista começa a solicitar transferências ou recarga no celular. 

Aqui vale também a regra básica para desligar o telefone imediatamente, se acalmar e entrar em contato com o familiar mencionado na ligação.

Conclusão

No post de hoje, procuramos orientá-lo no sentido de evitar que seja enganado de várias maneiras durante as mais diversas situações pelo telefone. 

É normal ficar aflito em casos como esses. Entretanto, fica a dica para sempre buscar manter o equilíbrio para saber o que fazer.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *