Quando as festas de fim de ano se aproximam, muitos de nós começam a fazer planos para garantir a diversão junto à família e os amigos. Existe um grupo, porém, que nem sempre é devidamente incluído: o dos idosos. Já pensou nisso?

É comum que as celebrações de fim de ano sejam regadas à animação, comilança, bebidas e som alto (atenção a este ponto, hein?). É certo que existem pessoas mais velhas que mantém o pique e conseguem acompanhar as festividades.

Entretanto, para muitos outros, esses fatores soam como um indicativo de que não serão acolhidos.

Neste post, vamos explicar a importância de pensar nos idosos e na adoção de estratégias para fazer com que as festas sejam boas também para eles. Confira!

Por que pensar especialmente nos idosos

O fim de ano é comumente visto como um momento de renovação de ciclo. Olhando para frente, muitos se alegram por estarem prestes a ter uma nova oportunidade para recomeçar. 

Entretanto, especialmente para os mais velhos, essa época também é muito nostálgica e pode causar melancolia e até tristeza. A conclusão de um ano pode dar muita ênfase à ideia de fim, trazendo à memória pessoas queridas que já se foram ou a proximidade da própria partida.

Sabendo disso, cabe aos demais agirem para garantir o acolhimento dos idosos. Se a ideia das festas de fim de ano é celebrar junto daqueles que amamos e queremos manter por perto, é justo incluí-los nos planos considerando a sua plena participação.

Outro ponto importante é que, não raro, pessoas mais velhas têm necessidades específicas quanto à sua alimentação e repouso e isso não pode ser ignorado.

Uma festa de fim de ano só com bebidas alcóolicas e tira-gostos gordurosos, por exemplo, pode ser bem inadequada para os mais velhos! A atenção aos detalhes faz toda a diferença para que eles também se divirtam.

Dicas para incluir os idosos nas festas de fim de ano

Comida, bebida, decoração, músicas, envolvimento e interação entre os presentes. Esse é o conjunto de fatores básicos ou essenciais das festividades de fim de ano. A seguir, você acompanha dicas sobre cada um deles para fazer com que suas confraternizações sejam boas para os idosos e para o restante do seu grupo.

Comes e bebes

Ter uma alimentação equilibrada é o ideal para todos nós. Em razão de eventuais problemas de saúde como o diabetes e a pressão alta, por exemplo, idosos precisam ter ainda mais cuidado com aquilo o que ingerem.

Isso não quer dizer que, logo nas festas de fim de ano, os mais velhos não vão poder quebrar a rotina nem um pouquinho. Respeitando os limites de cada um, um capricho ou outro pode até não fazer mal ― e, para ter certeza disso, vale conversar com o médico que acompanha a pessoa.

O importante é tentar manter uma ceia com alimentos frescos e com alto valor nutritivo. Todos e, especialmente os idosos, ficarão bem alimentados e manterão a energia e o bem-estar para curtir a confraternização.

Quanto às bebidas, é preciso ter atenção ao álcool. Entre os mais velhos, há quem não possa fazer a ingestão de bebidas alcoólicas ou simplesmente esteja desacostumado. Por isso, suas festas de fim de ano devem apresentar opções, especialmente as saudáveis, como os sucos.

“Ah, uma bebidinha só não faz mal!”

Às vezes, somos nós que queremos que o idoso beba um copinho de cerveja, uma taça de vinho ou algo assim, com a ideia de que isso vai fazer com que eles se divirtam mais. Quanto a isso, é crucial não induzir a pessoa a algo que ela parece desconfortável em fazer.

Pode ser que o idoso aceite a bebida apenas para ser incluído na festa e, posteriormente, acabe se sentindo mal pela falta de costume com os efeitos que o álcool tem no organismo.

Decoração e música

Sobretudo no Natal, muitos gostam de resgatar fotos que mostrem os membros da família. Não se esqueça de selecionar memórias das quais os mais velhos participem!

No ano novo, caso desejem distribuir adereços divertidos entre os presentes, não parta do pressuposto de que os idosos não vão querer participar ou que vão se contentar com os itens mais sem graça.

Quanto a música, na hora de fazer a seleção de álbuns, artistas e playlists, lembre-se de incluir artistas que fizeram sucesso em décadas passadas ou que você saiba que agradam aos mais velhos.

Envolvimento e interação

Os idosos de sua família estão em condições de ajudar nos preparativos das festas de fim de ano? Ótimo! A ideia certamente não é fazê-los se cansarem de trabalhar, mas permitir que eles se envolvam e tenham seus talentos apreciados por todos.

Aquele prato gostoso que a avó faz pode estar presente na ceia! O tio que não cansa de dizer como curtia ir ao grande mercado da cidade quando era mais novo pode ser convidado para acompanhar um dia de compras e opinar sobre as castanhas e outros tira-gostos tradicionais.

Se ninguém tem nenhum “talento especial”, você pode simplesmente dar algumas tarefas simples como ajudar a colocar as bolinhas na árvore de Natal ou a picar algum ingrediente que vai em um dos pratos da noite.

Durante a festividade, a interação com o idoso também é fundamental! Muitos costumam ficar mais quietos em um canto, se dizendo contentes em observar a diversão alheia. Embora a experiência realmente possa ser agradável, nada impede que os presentes se aproxime, conversem, convidem para uma dança e coisas do tipo!

Essa proximidade também vai permitir que a família fique de olho no idoso e se certifique de que suas necessidades de alimentação, cuidados e descanso estão sendo respeitadas durante a confraternização.

O que o próprio idoso pode fazer para participar das festas

Até aqui, falamos bastante sobre o que as outras pessoas precisam saber e fazer para assegurar a inclusão dos idosos na festa de fim de ano. Para concluir, temos também algumas dicas para que a própria pessoa saiba o que fazer para participar das confraternizações sem preocupações!

A primeira das dicas é: respeite seus limites e necessidades. Se a refeição está lá, mas a maioria dos presentes ainda está nos tira-gostos, não deixe de comer só para esperar os demais.

É bem bacana poder compartilhar esse momento com todos, mas se a fome bater ou se o corpo der sinais de que é hora de se alimentar, faça seu prato ou peça para que alguém o prepare para você.

Ainda, tenha em mente que a mudança na rotina pode ser desgastante e que se você precisar se recolher para descansar por alguns instantes, não há problema algum. Compartilhe essa necessidade com os presentes, sobretudo para que ajudem você a encontrar um cômodo adequado para o descanso.

Qualquer outro desconforto, como o som alto demais, também pode ser comunicado. Afinal, a ideia das festas de fim de ano é criar um ambiente em que todos se sintam bem.

Por fim, não se esqueça de levar consigo a medicação usual porque a saúde vem em primeiro lugar.

A segunda dica é: divirta-se! Algumas pessoas mais velhas começam a acreditar que as festividades são só para os jovens, mas isso não é verdade. Se sentir vontade de dançar, dance e se quiser cantar, cante! Viu uma roda legal de conversa e se interessou em participar? Participe, ria junto com os presentes e compartilhe as histórias que desejar.

Lembre-se de que as festas de fim de ano podem ser nostálgicas, mas também são excelentes oportunidades para se conectar com pessoas queridas e aproveitar momentos especiais junto delas!

Gostou do post? Conta pra gente, nos comentários, quais são seus planos para fazer festas de fim de ano que incluam toda a família!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *