Doenças respiratórias são mais comuns em épocas em que o tempo seco e o ar frio predominam. Independente disso, é sempre importante saber como se cuidar para minimizar os desconfortos e evitar que o quadro se agrave.

O acompanhamento médico é fundamental, entretanto, por conta própria, você pode seguir algumas dicas que vão ajudar você a respirar melhor. Algumas medidas envolvem adoção de novos hábitos que, a princípio podem parecer inconvenientes, mas certamente valerão a pena.

Você pode optar por seguir as dicas apenas nos momentos de crise. A recomendação, porém, é de que vocês as inclua de vez em sua vida ― com exceção dos medicamentos, que só devem ser usados quando realmente for necessário.

Continue a leitura e saiba mais!

As principais doenças respiratórias

Abaixo, listamos seis das doenças respiratórias mais comuns. Ao conferir seus sintomas ou consequências, você vai perceber que existem fatores similares entre as doenças.

Tentar distingui-las é importante para que você saiba com que tipo de problema está lidando. Lembre-se, porém, de que se informar pela internet não basta. Ao sinal de problemas, procure atendimento médico para não se arriscar com a automedicação e ter certeza de tratamentos mais eficazes. 

Rinite

Doença inflamatória que atinge as mucosas do interior do nariz, causando coceira, espirros frequentes e obstrução nasal. Em geral, a rinite é desencadeada pelo contato com a poeira (e seus ácaros), perfumes, pólen, pelos de animais, fungos e outros; 

Sinusite

Doença que causa a inflamação das mucosas dos seios da face — cavidades que temos em volta do nariz, olhos e na região das maçãs do rosto. Muitas das vezes, a sinusite é provocada processos alérgicos ou infecciosos que causam dor de cabeça e na face, secreção e obstrução nasal;

Laringite

Trata-se de inflamação da laringe por vírus, contato com alergênicos ou esforço vocal excessivo. Além da rouquidão, a doença pode causar tosse e dor de garganta;

Faringite

Doença inflamatória que atinge a faringe, a parte posterior de nossa garanta. É causada por bactérias ou fungos e seus sintomas mais comuns são a dor de garganta e a dificuldade para engolir;

Bronquite

Doença caracterizada pela inflamação dos brônquios ― tubos que levam o ar para dentro dos pulmões. O problema acontece quando o muco que fica na região não é eliminado corretamente e passa a se acumular, afetando os brônquios e causando tosse frequente;

Asma

Trata-se da doença respiratória que provoca o estreitamento dos bronquíolos, pequenos tubos que ficam dentro dos pulmões, dificultando a passagem de ar. Além disso, causa broncoespasmos e pode levar ao acúmulo de muco nos bronquíolos. Em todo causa, seus sintomas são a tosse seca e a falta de ar.

Para respirar melhor: dicas de cuidados com as vias respiratórias

Há dicas para respirar melhor que você pode seguir antes mesmo de consultar um médico. É comum que quem já convive com doenças respiratórias consiga perceber facilmente variações como a instauração de um tempo mais seco.

Percebeu o sinal por aí? Hora de começar a lavar o nariz com soro. Em farmácias e drogarias você encontra fórmulas especiais para a aplicação nasal, mas o soro fisiológico ou o soro caseiro podem ser suficientes.

As fórmulas especiais vêm em embalagens com mecanismo de aplicação especial, permitindo que você lance jatos do líquido em cada narina. Optando pelos soros, você pode comprar um aplicador ou irrigador nasal avulso, ou até mesmo usar uma seringa.

Em todo caso, é sempre importante evitar excessos. O que você quer é afastar a irritação que a secura do tempo causa nas vias aéreas, deixando-as mais protegidas contra as doenças respiratórias. Para isso, porém, não é necessário irrigar o nariz dezenas de vezes por dia.

Ainda, lembre-se de higienizar o aplicador utilizado para evitar qualquer tipo de contaminação e evite compartilhar o objeto com outras pessoas. Cada um deve ter o seu e, inclusive, carregá-lo consigo aonde for para lubrificar as vias áreas sempre que necessário.

Outra dica que deve ser adotada especialmente no período das crises respiratórias, reduzir ou eliminar o uso de perfumes ou óleos corporais que tenham fragrâncias marcantes. Esses cosméticos podem irritar suas vias respiratórias e deixá-las vulneráveis.

Medicamentos

Mesmo sem orientação médica, muitos dos que sofrem com doenças respiratórias recorrem às drogarias em busca de descongestionantes que são vendidos sem receita. É certo que este tipo de medicamento pode ajudar, mas há casos em que provocam o chamado “efeito rebote”.

Como efeito colateral, os descongestionantes podem levar à constrição dos vasos nasais, fazendo com o nariz se entupir novamente. Como consequência, você pode acabar preso em um ciclo de descongestionante -> alívio -> efeito colateral -> congestão nasal -> descongestionante.

Outra opção são os antialérgicos em comprimido ou em bombinhas (usadas para asma e asma brônquica). Neste caso, a prescrição médica é mais importante. Ainda que tenham o objetivo comum de combater uma alergia, esses medicamentos podem ter formas de atuação distintas, sendo mais ou menos indicados para cada doença respiratória.

Para respirar melhor: dicas de cuidados com a casa

Entre os elementos alergênicos que podem desencadear doenças respiratórias estão os ácaros da poeira, os pelos de animais, as flores que exalam perfumes fortes e outros “cheiros”. Por isso, você pode seguir alguns cuidados em casa para evitar ou minimizar os efeitos do problema e respirar melhor.

Varrer a casa levanta a poeira, assim como sacudir tapetes. Por isso, dê preferência ao aspirador de pó e à limpeza com panos úmidos. Assim, você evita que os ácaros fiquem suspensos no ar.

Outro lugar onde esses esses animaizinhos se abrigam é na roupa de cama. Por isso, é recomendável trocá-la semanalmente, em especial as fronhas dos travesseiros, já que ficam mais próximos de nossos narizes.

Evite, sobretudo no quarto, itens que acumulam muito pó. Muitos enfeites sobre a penteadeira, por exemplo, tornam a limpeza mais complicada e deixam você mais suscetível aos ácaros.

Evite também o uso de fragrâncias para a casa, incensos e afins. Há quem também recomende que animais de estimação, por soltarem pelos, não tenham acesso aos quartos.

Por fim, a última dica para que você possa respirar melhor apesar das doenças respiratórias é buscar formas de amenizar a secura dos ambientes. O quarto costuma ser o foco porque os desconfortos se intensificam no período da noite, comprometendo a qualidade do sono.

Para tornar o ar mais úmido e agradável neste período, você pode recorrer à bacias com água colocadas próximas à cabeceira da cama ou a aparelhos especiais. No mercado, você encontra umidificadores que soltam vapor d’água, reduzindo a irritação das vias áreas.

Gostou do post? Aproveite para conhecer o BIONETTE, o dispositivo fototerápico para tratar rinite alérgica sem remédios!

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *