Está chegando o outono e inverno, época de intensa queda de temperaturas e também de aumento na colheita de frutos, já que é o período em que as folhas caem. Entretanto, trata-se de um momento do ano marcado também pelo aumento das doenças cardiovasculares e respiratórias. 

De acordo com os especialistas nesta área de saúde, estas enfermidades aumentam aproximadamente 40% nesta época do ano, o que requer atenção das pessoas em geral e dos médicos. 

Caso você tenha problemas desta natureza, ler esse post será muito importante, pois vamos abordar as causas e como evitar ser vítima deste mal. Boa leitura!

Por que nesta época há um aumento de doenças cardiovasculares e respiratórias?

No que diz respeito à parte cardiovascular, o aumento da pressão arterial e a maior tendência da coagulação do sangue ocorrem em função da maior exposição ao frio e podem ter relação direta com doenças do coração como o infarto agudo e o acidente vascular cerebral. 

Quando falamos dos efeitos a nossa respiração, eles estão associados a maior exposição a poluição, que fica mais acentuada durante o período mais seco. Isso também resulta no aumento da coagulação do sangue, também impactando nas vias respiratórias. 

Além de algumas enfermidades citadas até aqui, existem outras delas que podem nos atingir nestes períodos. Elas serão o tema do nosso próximo tópico. Vem com a gente!

Quais são as doenças mais comuns no Outono? 

Rinite

Trata-se de uma inflamação do nariz e nas áreas próximas a essa região do rosto, que podem resultar em algumas consequências como obstrução nasal, coriza, espirros, irritação dos olhos e coceira no nariz e na garganta. 

Bronquite

Consiste em uma inflamação que ataca os brônquios, mecanismo responsável por levar ar aos pulmões, e pode acarretar em sintomas como falta de ar, chiado no peito, tosse seca e febre. 

Por ser uma doença que resulta em complicações a curto, médio prazo, é essencial priorizar a procura de um médico com urgência. 

Asma

As inflamações nas vias aéreas também tem relação com a asma e geralmente se mostram presentes através da tosse, falta de ar e chiado no peito. 

A asma acontece quando os dutos pulmonares ficam mais estreitos com a inflamação, provocando a falta de ar. 

Bronquiolite 

Trata-se de uma doença muito comum em crianças com até 6 meses de vida e os sintomas são similares aos da asma e bronquite. 

Neste contexto, o tratamento consiste no controle das bactérias que provocam alergia e no uso de remédio para o controle da doença. 

Lembrando que os métodos de tratamento devem ser definidos por um médico especialista em tais enfermidades. 

Resfriado

Trata-se de uma infecção viral que afeta o nosso sistema respiratório e os sinais são semelhantes ao de uma gripe, porém podem ocorrer de forma mais leve. 

A pessoa com resfriado apresenta coriza, dor de garganta, congestionamento nasal, dor no corpo, entre outras enfermidades. 

Geralmente, é uma doença que leva aproximadamente 10 dias para se restabelecer completamente. 

Gripe

Os sintomas são similares aos de um resfriado e a transmissão ocorre por meio de contato com outras pessoas, que apresentam secreções quando falam, espirram ou tossem. 

Além disso, mãos e objetos contaminados podem ajudar na transmissão. Um ponto a ser levado em consideração é que uma simples gripe pode evoluir para situações mais graves como pneumonia. 

Sinusite

Essa é uma doença que resulta de uma inflamação em uma membrana, que fica próxima ao nariz e a face. 

Especialmente nas crianças, os principais sinais são nariz entupido e secreção nasal. Além disso, também é possível identificar febre e secreção nasal. 

Pneumonia

Conforme mencionado, trata-se de uma infecção viral ou resultado de gripe ou resfriado, que provoca inflamação nos pulmões. 

A pessoa pode ter febre alta, dor no tórax, abatimento, tosse e dificuldade para respirar. 

Otite

Trata-se de uma infecção no ouvido que pode atingir a parte interna e externa desta região do corpo. Na maior parte dos casos, é provocada por bactérias e pode aparecer logo após resfriados, gripes, infecções respiratórias e na garganta. 

Além disso, seus sintomas mais comuns são perda de audição e apetite, secreção na orelha e febre. Em situações mais graves nas crianças, podem ocorrer vômito e diarreia. 

Amigdalite

Provocada também pela presença de bactérias, a Amigdalite, como o próprio nome já diz, atinge a região das amígdalas. 

No que diz respeito aos casos virais, eles ocorrem em decorrência de gripes e resfriados e saem do organismo naturalmente. Já as situações oriundas de bactérias, devem ser tratadas com antibióticos. 

É comum quem está com amigdalite ter dificuldades para engolir, febre acima 38º C, febre e mal estar, dor de garganta, falta de apetite, entre outros sinais. 

Como evitar as doenças mais comuns do outono?

Falamos muito sobre as enfermidades, mas se tem algo que serve de alento é que algumas medidas eficazes podem ajudá-lo a evitar ser contaminado por essa doença. Veja algumas das formas de evitar esse contágio!

  • Lavar as mãos constantemente no dia a dia; 
  • Cobrir sempre o nariz e a boca ao espirrar; 
  • Não compartilhe materiais e objetos de uso pessoal; 
  • Evite locais fechados e com aglomeração de pessoas; 
  • Não fume; 
  • Utilize umidificador de ar quando o tempo estiver mais seco; 
  • Higienize os brinquedos das crianças frequentemente; 
  • Mantenha uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes; 

Conclusão

O objetivo do post é orientar as pessoas sobre as principais doenças que aparecem nesta estação do ano que está chegando, com o objetivo de alertá-lo antes deste período chegar, para que elas se conscientizem previamente dos cuidados que precisam adotar. 

Por isso, listamos diversas enfermidades e orientações que podem ser essenciais, não só para você, mas também para sua audiência. Pode ser que alguém do seu círculo de amizades sofra desse mal e aí esse conteúdo pode ser muito relevante, já que nele possui algumas informações importantes sobre o assunto. 

Entretanto, você quer saber mais informações sobre esse tema? Sugerimos a leitura do artigo “Doenças respiratórias: quais os cuidados para você respirar melhor?”, que está no nosso blog.

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *