É difícil evitar que, com o avançar da idade, nosso corpo se enfraqueça e se torne mais suscetível à doenças. Apesar disso, é possível ter uma velhice saudável e a informação é uma importante aliada para essa conquista.

Conhecer aquelas que são as doenças comuns na velhice vai ajudar você a entender como se prevenir e como se cuidar para evitar que um quadro se agrave. Em outras palavras, vai permitir que você busque as soluções para viver com mais disposição.

A seguir, apresentamos algumas das principais doenças para que você as conheça. E, caso desconfie de algum sintoma, lembre-se de procurar seu médico o quanto antes!

Diabetes

O diabetes é a doença causada pela baixa produção ou pela má absorção de insulina pelo organismo. A insulina é o hormônio que mantém a glicose dentro das células do nosso corpo, evitando a elevação de sua concentração na corrente sanguínea.

Entre 2008 e 2018, o diabetes cresceu 60% no Brasil, chegando a cerca de 14 milhões de portadores. A maioria das pessoas que tem a doença está na terceira idade e, como indicam os dados do Ministério da Saúde, quase 1/3 dos diabéticos tem 65 anos ou mais.

O diabetes tipo 2 é o que está relacionado ao envelhecimento, à obesidade e ao sedentarismo. Assim, boas formas de se prevenir contra a doença é praticar atividades físicas para colocar o corpo em movimento e controlar o peso, além de diminuir o consumo de açúcar.

Alguns dos principais sintomas do diabetes são: sede frequente, vontade de urinar várias vezes ao dia, infecções recorrentes, cicatrização lenta de feridas. Atenção: você não precisa manifestar todos esses sintomas para se consultar e iniciar sua prevenção.

Hipertensão

A hipertensão, também conhecida como pressão alta, é uma doença crônica comum na terceira idade. Caracteriza-se pela elevação dos níveis de pressão sanguínea nas artérias, o que faz com que o coração tenha que trabalhar mais para fazer o sangue chegar a todas as partes do corpo.

Sendo assim, a hipertensão é uma das doenças comuns na velhice que aumentam o risco de AVCs, insuficiência cardíaca, infarto e outros. Por isso, é muito importante redobrar a atenção!

Em geral, a hipertensão é uma doença hereditária. Assim, se seus pais ou parentes mais velhos conviveram com problema, aumentam-se as chances de que você também tenha que lidar com ele. Entretanto, há outros motivos que desencadeiam a pressão alta.

O sedentarismo, a obesidade e o estresse estão entre os fatores que podem levar à doença. Quanto a isso, uma boa dica é se exercitar para fortalecer o corpo e a mente.

A pressão alta não tem sintomas e, por isso, a prevenção é muito importante. Em alguns casos, a doença pode provocar enjoo, dor de cabeça, visão dupla e outros, facilitando sua identificação pelo paciente.

Catarata

Se você está atento às doenças comuns na velhice já sabe que muitos da terceira idade precisam lidar com a catarata. Esse problema, em geral, se desenvolve lentamente ao longo dos anos, tendo consequências mais significativas com o avançar da idade.

A doença provoca o embaçamento ou a perda de transparência do cristalino ― uma parte da estrutura de nossos olhos, considerada uma lente natural, que é responsável por garantir o foco na visão.

Com a velhice, à medida que essa lente natural vai se tornando opaca, provoca sintomas como: dificuldade para ler, dirigir ou até andar, visão dupla e visão nebulosa, além da sensibilidade à luz.

Como seu avanço é gradual, há quem acabe ignorando a doença achando que ela não vai se tornar um problema grave. Entretanto, se não tratada ou corrigida cirurgicamente a tempo, a catarata pode levar à cegueira.

Osteoporose

A osteoporose atinge principalmente as mulheres, mas por ser uma doença comum na velhice, merece a atenção de todos. A osteoporose caracteriza-se pela perda de massa óssea, ou seja, é um problema que deixa os ossos de nosso corpo mais fracos.

Na maioria das vezes, a osteoporose avança sem dar muitos sinais. Com isso, pode ser que você só se dê conta de que tem pode ter a doença ao perceber alguma deformação óssea que provoque dor. Ainda, a osteoporose está relacionada ao maior risco de quedas de idosos que, consequentemente, podem causar fraturas.

Por ser uma doença comum, o acompanhamento médico de rotina tende a orientar a reposição de cálcio, além da adoção de outras medidas como forma de prevenção. As mulheres tendem a começar mais cedo, mas homens também devem se cuidar.

O sedentarismo, o abuso de álcool, o tabagismo, o diabetes e a menopausa são fatores que aumentam as chances do desenvolvimento da osteoporose. Por isso, evite hábitos nocivos e esteja em dia com suas consultas para evitar a doença.

Perda auditiva

A perda auditiva na velhice está relacionada a diversos fatores, entre eles, o processo natural de degeneração do nosso organismo. Em outras palavras, com o passar do tempo, é comum que certas funções do corpo comecem a falhar.

Fatores genéticos, hábitos nocivos, pressão alta e diabetes podem aumentar as chances de ter a doença. E, como você pode imaginar, seu sintoma mais claro é a dificuldade em ouvir sons mais baixos, também indicada pela necessidade em aumentar mais o volume de aparelhos como rádio e a TV.

Essa é uma das doenças comuns na velhice que a pessoa pode perceber com mais facilidade. Ainda que a perda auditiva seja comum, porém, é sempre importante buscar orientação médica.

Nos casos em que a doença se agrava mais rapidamente, a demora no diagnóstico e na escolha do tratamento podem levar à surdez definitiva. Algo que você certamente quer evitar, não é mesmo?

Rinite

Alergias respiratórias podem atingir pessoas de todas as idades. Apesar disso, a rinite é especialmente incômoda para os idosos porque pode desencadear inflamações permanentes.

Caso você ainda não saiba, a rinite alérgica é caracterizada pela inflamação de uma membrana mucosa que temos dentro de nossos narizes. Assim, entre os sintomas estão os espirros frequentes, a coceira e os olhos lacrimejantes.

O tratamento pode ser desafiador. A alergia é uma reação imunológica do corpo a algo que não lhe faz bem e os remédios para combater essa reação, na maioria das vezes, só conseguem aliviar os sintomas. Felizmente, existe um tratamento contra rinite alérgica sem remédios que pode ajudar!

Antes, porém, é importante ter o diagnóstico confirmado por um médico para saber se o que você está enfrentando é mesmo uma rinite. Como veremos a seguir, há outro problema respiratório comum na velhice que merece atenção.

Pneumonia

A pneumonia é uma infecção que atinge os sacos de ar que temos dentro dos pulmões. Como consequência, pode acabar fazendo com que um ou os dois pulmões se encham de líquido, limitando nossa capacidade respiratória.

Trata-se de uma doença comum na velhice porque sua causa pode ser tanto de origem viral, bacteriana ou fúngica. E, como o avanço da idade enfraquece o sistema imunológico, a terceira idade tem mais chances de contrair o problema.

Dor nas costas, dor aguda no peito, tosse, febre e dificuldade para respirar estão entre os sintomas da doença. Ao menor sinal de suspeitas, é fundamental buscar ajuda médica porque a pneumonia pode ser fatal.

Para se prevenir da doença, há uma combinação de fatores que você deve considerar: a prática de atividades para fortalecer o organismo, a alimentação saudável e a eliminação de hábitos nocivos aparecem em destaque.

Angina e infarto

Por fim, chegamos às doenças comuns na velhice que atingem o coração: angina e infarto. Ambas precisam de atendimento médico de emergência porque podem comprometer totalmente o funcionamento do coração, levando à morte.

A angina é, na verdade, sintoma da existência de uma doença arterial coronariana. Uma situação de dor que indica que as artérias que levam sangue ao coração se afinaram, fazendo com que o órgão receba menos sangue do que necessita.

Por sua vez, o infarto acontece quando o miocárdio, a parede do coração, deixa de receber sangue e se danifique ou, até mesmo, morra. Os sintomas comuns são dor no peito e no pescoço e formigamento no braço esquerdo.

Em ambos os casos, pode ser que o tratamento medicamentoso seja suficiente. Há situações, porém, que demandam intervenção cirúrgica para evitar que a doença se torne fatal. Além disso, uma mudança para um estilo de vida menos sedentária é sempre recomendada, visando o fortalecimento do coração e proporcionado uma velhice mais saudável.

Gostou do post? Saiba mais sobre saúde e bem-estar conferindo nosso post sobre a dengue: outra doença contra a qual você precisa se prevenir!

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *