Você já reparou na existência de campanhas relevantes que combinam um mês a uma cor? Uma delas o Dezembro Laranja, uma ação voltada para a prevenção do câncer de pele.

Como você bem sabe, o cuidado com a saúde deve ser constante. Assim, não é apenas em dezembro que você deve estar atento aos sintomas do câncer de pele. A ação, que dura o mês inteiro, tem o papel de nos conscientizar sobre a doença sobre os riscos e as principais formas de prevenção.

Neste post, você vai conhecer melhor o Dezembro Laranja, sua história e as informações mais importantes que são divulgadas pela ação. Confira!

Como surgiu o Dezembro Laranja

Todos os anos, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realiza a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele. Este é o tipo de câncer mais comum no país, sendo responsável por 33% dos casos diagnosticados da doença.

As informações são de que o Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra cerca de 180 mil novos casos de câncer de pele por ano. Por essa razão, a SBD se viu na responsabilidade de criar formas de alertar e conscientizar a população sobre a doença.

Com isso, em 2014, foi criado o Dezembro Laranja. Durante todo o mês, diferentes ações são feitas em parcerias com instituições dos setores público e privado para chamar a atenção de todos nós.

Assim como acontece em razão de campanhas como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, durante o último mês do ano, prédios e monumentos envolvidos na ação são iluminados com a cor característica do Dezembro Laranja.

Mais do que um alerta visual, a ação se apoia na ampla divulgação de informações sobre a incidência de casos, os sintomas do câncer de pele e as medidas de prevenção e de tratamento.

O que é o câncer de pele

O câncer de pele é a doença provocada pelo crescimento anormal das células que compõem a nossa pele. A doença tem duas formas: o câncer de pele melanoma e o câncer de pele não melanoma.

Câncer de pele melanoma

É o câncer que tem origem nas células produtoras de melanina, o pigmento que colore a pele humana. Pode aparecer em qualquer parte do corpo, manifestando-se em forma de pintas, manchas ou sinais.

De modo geral, a doença é mais comum em pessoas de pele clara. O desenvolvimento do câncer de pele em negros é menos comum, mas pode acontecer. Quando é melanoma, costuma manifestar-se nas áreas mais claras do corpo como a palma das mãos e a planta dos pés.

O câncer de pele melanoma é o tipo mais grave porque pode provocar metástase. Em outras palavras, pode fazer com que a doença se espalhe para outros órgãos.

Câncer de pele não melanoma

Este é o tipo de câncer de pele mais frequente no país, sendo também o que mais registra casos de tumores malignos.

Apesar disso, se detectado precocemente, esse câncer dificilmente leva à morte porque tem alta chance de cura. Se não tratada adequadamente, porém, a doença pode deixar marcas e até provocar mutilações.

O câncer de pele não melanoma tem dois tipos mais frequentes: o carcinoma basocelular ― mais comum e menos agressivo ― e o carcinoma epidermóide ― menos recorrente, porém mais grave.

O carcinoma basocelular é identificado como uma espécie de lesão, seja uma ferida ou um nódulo, que evolui lentamente. Já o epidermóide surge por meio de uma ferida ou cicatriz, em especial as provocadas por uma queimadura.

Fatores de risco para o desenvolvimento do câncer

A exposição frequente ou prolongada ao sol é o principal fator de risco para o câncer de pele. Sabendo disso, confira os principais fatores que podem levar ao desenvolvimento da doença:

  • exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h;
  • a não adoção de medidas fotoprotetoras;
  • rotina de trabalho com exposição direta ao sol;
  • exposição a câmaras de bronzeamento artificial;
  • histórico pessoal ou familiar de câncer de pele;
  • existência de alguma doença cutânea.

Câncer de pele e a terceira idade

Considerando os fatores de risco, é importante fazer um alerta que indica a necessidade de redobrar os cuidados caso você esteja na terceira idade. 

Como vimos, o câncer de pele está relacionado à exposição frequente e prolongada ao sol. Em geral, pessoas mais velhas acumulam um tempo maior de exposição e isso faz com que a doença seja mais comum em indivíduos de pele branca e com mais de 40 anos.

À medida que a idade avança, aumentam-se as chances do desenvolvimento de algum tipo de câncer de pele. Por essa razão, a Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que pessoas da terceira idade façam o autoexame ou tenham ajuda para essa análise de forma mais frequente.

A ideia é examinar o próprio corpo em busca de sinais do câncer de pele. Algo que ser feito com a ajuda de um espelho, lembrando-se de não deixar de fora partes menos visíveis como as axilas, atrás das orelhas, a planta dos pés, a dobra dos joelhos e outros.

Como identificar o câncer de pele

E já que mencionamos a necessidade de examinar o corpo para tentar identificar o desenvolvimento da doença, é fundamental que apresentamos os principais sintomas do câncer de pele. São eles:

  • sinais ou pintas que mudam de cor, formato ou textura;
  • manchas que coçam, descamam ou sangram;
  • feridas que não cicatrizam há mais de quatro semanas.

O que fazer ao identificar sinais do câncer de pele

Se você identificar algum dos principais sinais do câncer de pele, não hesite em procurar ajuda médica. Ainda que até mesmo o tipo mais agressivo da doença tenha altas chances de cura, isso só é possível quando o diagnóstico é precoce.

A qualquer suspeita, seja por um sinal recém-surgido ou por mudanças em um sinal que você já tinha, procure um dermatologista para a realização de um exame clínico. O médico usará um aparelho que o permitirá enxergar camadas de pele que não são visíveis a olho nu para avaliar o sinal.

Caso seja necessário, para confirmar o diagnóstico, o profissional pode solicitar uma biópsia. Uma vez que a doença for confirmada, outros exames são realizados para orientar o tratamento que pode ser cirúrgico, medicamentoso ou terapêutico.

Como se prevenir do câncer de pele

Sabendo que ninguém quer desenvolver um câncer de pele, não podemos deixar de fora deste texto as dicas para que você se previna contra a doença. Além do respeito à faixa de horário mais segura ― antes das 10h e depois das 16h―, a SBD recomenda a adoção das seguintes medidas fotoprotetoras:

  • usa óculos de sol com proteção UV;
  • utilizar chapéus de abas largas;
  • dar preferência por roupas que cubram mais o corpo;
  • usar protetor solar com fator 30 ou superior diariamente;
  • manter a boa hidratação corporal.

A importância do Dezembro Laranja

O câncer de pele é o tipo mais comum da doença no Brasil, ao mesmo tempo, são poucos os casos que levam à morte. Em comparação a outros cânceres que podem ter efeitos mais devastadores, pode até parecer que ninguém precisa se preocupar tanto assim com um melanoma ou um carcinoma.

Talvez por isso, e também pelo fato de que a exposição ao sol nos parece inevitável, o Dezembro Laranja cumpre o importante papel de nos manter alertas. Já viveu aquele dia em que você só lembrou de que esqueceu de passar o protetor solar depois que saiu de casa para um churrasco ao ar livre, em pleno meio dia?

O número de casos de câncer de pele registrados no Brasil está acima da média mundial. Uma das razões é que a pele é o maior órgão do corpo humano e, sempre que exposta ao sol, fica sujeita aos seus efeitos. O Brasil é um país tropical e isso significa sol forte e maior risco do surgimento da doença.

Por essa razão, o Dezembro Laranja vem para nos lembrar de não subestimar a importância das medidas de prevenção e de que, ao menor sinal de suspeitas, um médico deve ser procurado!

Gostou da leitura? Compartilhe-a com familiares e amigos de todas as idades para que se conheçam a campanha e se previnam contra o câncer de pele!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *