Para muita gente, o verão reserva momentos especiais para diversão. Você está entre os que adoram aproveitar o sol para um banho de mar ou piscina? Não há nada de mal nisso, desde que você não esqueça de se proteger.

O período de calor também pode ser marcado por algumas “doenças do verão”. Saber disso ajuda você a se prevenir e a saber o que fazer caso tenha algum problema.

E é sobre tudo isso o que falamos neste texto porque o que a gente mais quer é que você possa aproveitar ao máximo a estação, sem precisar se preocupar. Boa leitura!

Exposição ao sol sem proteção, não!

O Brasil é um país tropical que, como diz a letra de Jorge Ben Jor, é “abençoado por Deus e bonito por natureza”. Se ao ler esse trechinho da música você completou mentalmente com o “mas que beleza!” pode aproveitar a animação para planejar seus dias de sol.

Tomar sol permite que nosso corpo obtenha vitamina D e, consequentemente, melhora a absorção de cálcio e fortalece os ossos. Assim, não há motivos para transformar o sol no maior vilão de todos, mas é preciso ter cuidado.

Entre as 10h e às 16h, o banho de sol não é recomendado, sobretudo no verão. A exposição aos raios ultravioleta nessa faixa de horário pode causar queimaduras e aumenta os riscos de desenvolvimento de um câncer de pele.

Mesmo evitando o horário em que a luz do sol está mais forte e o calor é mais intenso, é fundamental que você se proteja ao máximo. O uso de protetores solares é indispensável.

A recomendação é de que você opte por um produto de, no mínimo, fator de proteção 30. Para o rosto, é interessante investir em um protetor solar ainda mais poderoso.

Quanto a isso, é interessante lembrar que pessoas de pele mais clara precisam de um fator de proteção mais alto. Já as de pele negra, ainda que tenham menos chance de desenvolver o câncer, podem optar por fatores mais baixos, mas sem deixar de se proteger.

O uso de bonés, chapéus de abas longas, óculos escuros e roupas com proteção UV também é indicado. E para que você entenda melhor os motivos para tanto cuidado, vamos falar sobre as doenças do verão.

Cuidado com a desidratação e a insolação

No dia a dia, todos nós precisamos manter o corpo hidratado. A recomendação do volume total de água varia de pessoa para a pessoa, sendo o peso corporal multiplicado por 35 ml a base do cálculo. A saber, uma pessoa que pesa 80 kg deve beber 2,8 L de água por dia.

Quando o verão chega, é recomendável que a ingestão hídrica aumente. O calor, especialmente quando acompanhado da exposição ao sol, intensifica a perda de líquido pelo suor, o que faz com que nós precisemos ter mais atenção à necessidade de reposição.

Sucos e chás também são indicados para que evitemos a desidratação. Em contrapartida, refrigerantes e bebidas alcoólicas têm efeito diurético e fazem com que nosso organismo perca ainda mais água.

Outra dica de cuidado no verão é manter a hidratação mesmo que você esteja constantemente dentro d’água e debaixo do sol. A exposição prolongada, além de desidratar, pode causar ressecamento da pele, febre, dor de cabeça e enjoo; sintomas característicos da insolação.

Intoxicação alimentar

Levanta a mão aí se você curte uma boa praia! Quando decidimos passar o dia na areia, de frente para o mar, ou levamos algum tipo de alimento conosco ou ficamos na dependência de vendedores ambulantes e restaurantes que estejam nas proximidades.

Tanto nós quanto quem trabalha com o preparo e venda de alimentos sabe que é preciso cuidado. A higiene a criação de condições apropriadas para o acondicionamento da comida são essenciais para evitar a proliferação de bactérias que podem causar mal-estar, diarréia e intoxicação alimentar.

O risco de enfrentar algum desses problemas aumenta no verão porque o calor acelera a proliferação das bactérias. Por isso, é preciso que tenhamos muito cuidado!

Mencionamos a praia de modo especial porque é por lá, nem sempre os ambulantes têm equipamentos para manter a temperatura mais baixa para os alimentos. Entretanto, a atenção se faz necessária sempre.

Micose na pele

Nem só de diversão é feito o verão, não é mesmo? Por vezes, temos que trabalhar ou cumprir tarefas comuns do dia a dia usando roupas convencionais ao invés das roupas de banho.

Não raro, acabamos transpirando um pouco mais, fazendo com que áreas do corpo fiquem quentes e úmidas. Acontece, por exemplo, com a região da virilha, nas axilas e entre os dedos, especialmente os do pé.

Esse é o cenário perfeito para a proliferação de fungos que causam a micose, uma doença de verão que causa a irritação da pele e incomoda em razão da coceira.

Por isso, quando a temperatura subir, dê preferência à roupas leves e tente não usar sapatos fechados por muito tempo. Lembre-se de que a micose pode ser transmitida de uma pessoa para a outra, então evite compartilhar toalhas e não ande descalço pelo banheiro ou vestiário do clube ou da academia.

Otite

Essa é especial para quem adora piscina e mar: outro importante cuidado no verão é tentar evitar a otite ― a inflamação do canal auditivo que, como você sabe, causa dor de ouvido.

Em geral, o que provoca essa doença de verão é o acúmulo de água no canal auditivo que leva a uma inflamação ou infecção. Há casos em que a febre também aparece para piorar o quadro.

Para evitar o problema, a dica é não ficar submerso por muito tempo e, caso você sinta algum desconforto, evitar mergulhar novamente.

Conjuntivite

Amanheceu e você, prestes a abrir os olhos, nota que o acúmulo de “remela” parece maior do que o normal. Os cílios agarram e você logo percebe que um ou os dois olhos coçam. É ela, a conjuntivite bacteriana ― a mais comum durante o verão.

O inchaço e a vermelhidão dos olhos também estão entre os sintomas típicos dessa doença de verão que precisa de atenção médica para a definição do colírio adequado.

Do contrário, o quadro pode se agravar. Ainda, como você deve saber, a conjuntivite é contagiosa. Assim, buscar a medicação adequada evita que você acabe passando a doença para alguém!

E como evitar que alguém passe a doença para você? Evite compartilhar toalhas, abrir os olhos debaixo d’água ― seja no mar ou na piscina, a água facilita a transmissão da bactéria causadora da conjuntivite ― e evite coçar os olhos, sobretudo caso tenha contato direto com pessoas que já estão com a doença.

Gostou do post e topa receber mais uma dica importante? A dengue é outra doença que se torna mais comum no verão, confira nosso post sobre o assunto e saiba como se proteger!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *