Você já deve ter ouvido várias vezes por aí: a expectativa de vida da população cresceu e algumas novidades acompanham essa mudança. Entre elas, está o aumento da procura e da oferta de cuidadores de idosos.

Dados do final de 2018 divulgados pelo Ministério do Trabalho indicaram um aumento de 547% no número de cuidadores de idosos no Brasil entre 2007 e 2017.

Você já pensou em contar com os serviços de um cuidador de idosos? Sabe qual é a formação desse profissional e como escolher a pessoa ideal para cuidar de seus entes queridos? Continue a leitura, o post de hoje vai responder a essas e a outras perguntas!

O que faz um cuidador de idosos

Quando uma pessoa da família assume a responsabilidade de cuidar de idosos que precisam de assistência, pais ou avós, por exemplo, recebe o nome de cuidador familiar.

Em suma, o papel que essa pessoa desempenha é bem parecido com aquele para o qual o cuidador de idosos é contrato. As diferenças principais são que o cuidador é um profissional que fez cursos para melhor atender aos idosos e, como haveria de ser, precisa receber por isso.

As atribuições dos cuidadores de idosos podem variar de acordo com as necessidades de cada indivíduo ou família atendida. Em geral, as atribuições passam por ajudar o idoso com sua higiene pessoal e com sua medicação e fazer-lhe companhia, inclusive em consultas médicas.

Sendo assim, cuidadores podem dar ou auxiliar no banho, lavar e pentear os cabelos, escolher as roupas e vestir o idoso. Podem ainda ser responsáveis por garantir que o idoso se alimente bem, inclusive se isso significar dar-lhe a comida na boca.

Assegurar que os horários das medicações sejam respeitados também é atribuição deste profissional.

Entre as tarefas dos cuidadores de idosos também se incluem as de prestar apoio emocional, conversar e até orientar a prática de atividades para manter o cérebro ativo.

Com tudo isso, é fácil entender que cuidadores são comumente acionados quando o idoso passa a precisar de assistência porque perdeu boa parte de sua autonomia. Um profissional cujo papel é diminuir o peso dos obstáculos que atingem muitos em uma das fases mais delicadas da vida.

A importância do cuidador de idosos

“Fulano contratou uma cuidadora de idosos para ficar com a mãe dele”. Quando você lê esta frase, lê com um tom positivo ou com algum julgamento?

Pode ser que, para algumas pessoas, a ideia de contratar alguém para cuidar dos próprios pais pareça uma escolha de se manter distante, de se afastar da obrigação de cuidar da própria família. As coisas não são bem assim.

Na vida corrida que levamos atualmente, é difícil para um adulto que trabalha para sustentar sua própria casa ter tempo de dar atenção suficiente aos pais. A minoria tem condições de optar por trabalhar meio período ou simplesmente não trabalhar para cuidar de seus familiares.

Por essa razão, a missão de assistir pessoas tão especiais é compartilhada com um cuidador de idosos. Só isso nos ajuda a entender a importância desse profissional, não acha? Alguém a quem confiamos a vida e o bem-estar daqueles que amamos.

O que acontece é justamente isso: diversos aspectos da vida do idoso ficam sob a responsabilidade do cuidador. Especialmente quando a pessoa tem condições mais delicadas de saúde, além de zelar por sua qualidade de vida, o cuidador de idosos tem a missão de agir para sua recuperação ou redução da demanda por serviços de saúde.

É uma responsabilidade e tanto e, por isso, quem decide contratar um cuidador de idosos precisa fazer uma boa análise para escolher um profissional qualificado e de confiança.

Vale lembrar que esse profissional vai fazer parte da rotina do idoso, passando horas e horas seguidas em sua casa, em proximidade com a família. Assim, vai estar envolvido na vida de todos, em especial daquele a quem atende.

Falamos de um nível de intimidade que demanda uma escolha atenciosa e é sobre isso o que falamos a seguir.

Como escolher um cuidador de idosos

A indicação é uma excelente forma de encontrar um cuidador de idosos para fazer parte da sua família. Outra opção é buscar por uma agência especializada em cuidados em saúde domiciliar e fazer a contratação de forma intermediada.

Seja como for, é sempre importante que você busque conhecer cada candidato. Aqui vão algumas dicas:

  • Pergunte sobre os cursos de capacitação feitos. Atualmente, são muitos os cursos para a formação de cuidadores de idosos no país. Você tem o direito de perguntar sobre a realização de cursos e até de pesquisar o que as escolas em que o profissional se formou ensinam;
  • Informe-se sobre a experiência. Profissionais em início de carreira, sobretudo considerando que o mercado começou a se aquecer mais nos últimos anos, também podem ter muito a oferecer. Saber da experiência, porém, pode ser importante caso seu familiar tenha alguma demanda específica como alimentação por sonda ou perda da capacidade de se comunicar;
  • Peça referências. Para os que não têm experiências, até mesmo um professor do curso de capacitação pode ser uma boa fonte de informação sobre o preparo, a dedicação e o compromisso do profissional;
  • Avalie a compatibilidade. O cuidador de idosos basicamente será parte de sua família. Sem discriminações, você pode sim optar pelo candidato com o qual se sentiu mais à vontade, por exemplo. Lembre-se, porém, de que a competência vale bem mais do que qualquer pré-julgamento;
  • Apresente o candidato ao seu familiar (se possível for) e deixe-os interagindo por um tempo. Avalie como o idoso se sente e como é a comunicação entre eles, afinal, ambos se farão companhia diariamente;
  • Questione o que você e sua família precisam fazer para garantir boas condições de trabalho para o candidato ao posto de cuidador de idosos.

O cuidador não é um robô

O último item que apontamos na lista de dicas para escolher um bom cuidador de idosos merece atenção especial.

Segundo uma pesquisa da Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA, 63% dos cuidadores de idosos morrem até quatro anos antes das pessoas que são cuidadas.

Entre os fatores que estão por trás deste dado estão as dificuldades envolvidas no cuidado com idosos, sobretudo os que lidam com doenças mais limitantes. Muito esforço mental, emocional e por vezes físico faz parte da rotina dos cuidadores.

Além de respeitar as regras da legislação trabalhista sobre jornada de trabalho, férias e descanso, cabe à família garantir ao cuidador as melhores condições possíveis para desempenhar sua função.

O cuidador de idosos precisa estar saudável e bem para atender bem ao idoso. Basta lembrar: a saúde e o bem-estar de seu familiar dependem dessa atenção!

A presença de um cuidador de idosos está cada vez mais comum nos lares brasileiros. Contar com um bom profissional pode melhorar a qualidade de vida do idoso, além de ajudar a família a lidar com suas demandas de forma mais leve.

O resultado é uma realidade mais agradável e benéfica a todos.

Muitas vezes, a decisão de contratar um cuidador passa por vários membros da família. Este é seu caso? Compartilhe este post com os demais!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *