Se você acha que criança na cozinha é uma combinação que pode ser muito interessante, chegou ao post certo!

Tem gente que mantém os pequenos afastados do preparo dos alimentos por pensarem que há riscos demais ou que tudo vai resultar em uma trabalheira só.

De fato, alguns cuidados e dicas devem ser seguidos, mas o Junior Masterchef é apenas uma das provas que temos de que essa combinação tem chances de render bons resultados. Saiba mais!

Idade mínima “não existe’

É claro que um bebê não vai ser capaz de ajudar você no preparo dos alimentos e que é preciso esperar até um pouco mais.

Ter uma criança cozinhando, porém, é algo que não dependente tanto da idade como você talvez imagine. O mais importante é saber como cada faixa etária pode ajudar e apostar nisso.

Apenas para que você tenha uma noção mais clara, aos dois anos uma criança já pode começar a ajudar no preparo de alimentos e refeições.

O básico é deixar que a criança segure os ingredientes e, na medida do possível, possa ver o que você faz com eles para transformá-los em uma prato.

É importante dar à criança ingredientes que ela possa levar à boca sem riscos porque esses “incidentes” tendem a acontecer, ok?

Aos três anos, uma a cozinha para crianças começa a se tornar um pouco mais interativa porque os pequenos já conseguem colocar alguns ingredientes na vasilha que precisam estar.

Aos poucos, você vai entendendo como as crianças podem se envolver. O ideal é que raladores só comecem a ser usados por volta dos sete anos e que objetos de corte sejam deixados ainda mais para frente.

Em todo caso, quando há perigo envolvido, a supervisão é fundamental!

Mostre receitas à criança

“Filha, vem cá ajudar o papai a misturar isso daqui!”

Te parece um chamado convidativo? Pode até ser, mas faria mais sentido e despertaria mais interesse se a criança soubesse o que é “isso daqui” e qual será o resultado do seu trabalho.

Por isso, aposte em conteúdos visuais. Pode ser que você tenha um livro de receitas com imagens ou que possa recorrer a sites e canais do youtube para mostrar o que está sendo preparado.

Os pequenos são naturalmente curiosos e vão se envolver mais se conseguirem entender o que estão preparando. Assim, se você quer ter crianças na cozinha, estimule sua curiosidade e busque formas de despertar seu interesse.

Apresente os alimentos de forma especial

Pegando gancho na dica anterior, há quem aposte até mesmo em jogos para tornar tudo mais envolvente. Ainda que essa seja uma boa ideia, temos uma dica básica e muito importante que pode ajudar.

Fale sobre os alimentos de forma a despertar o interesse da criança a respeito. Diga coisas como “já viu como essa manga é cheirosa?” e deixe a criança cheirar. Ou coisas como “já experimentou este alimento antes? Tem um gosto assim ou assado, olha só que delícia!”.

Isso é interessante porque uma criança não vai querer estar na cozinha por pura obrigação. Deixar que ela se conecte aos alimentos é fundamental inclusive para que tenha uma relação mais saudável com a comida.

Facilite algumas coisas

A gente sabe que alguns participantes do programa de TV Junior Masterchef são verdadeiros prodígios, mas nada de exigir demais dos seus, ok?

Algumas crianças vão aprender a picar mais tarde do que outras e não há mal nenhum nisso. Assim, de acordo com a faixa etária com as habilidades, entenda o que você precisa deixar preparado para que a receita flua.

Pode ser que a criança consiga misturar os ingredientes de um bolo, mas que quebrar os ovos separando clara e gema seja sua responsabilidade, entende?

Facilite o que for necessário para que seu filho ou filha não se sinta desestimulado.

Deixe a criança colocar a mão na massa

Caso ainda não tenha ficado claro, criança na cozinha é criança que coloca a mão na massa. Às vezes, isso significa deixar um pouco de sujeira rolar, mas faz parte do processo de aprendizado.

Se você estiver com pressa ou passando por um dia estressante, chame a criança para ajudar em outro momento. Sobretudo no início, quando os erros ainda forem mais frequentes, você vai ter que ter paciência e deixar sua criança tentar e tentar e tentar.

Observe os questionamentos. É comum que os pequenos digam coisas como “como você mistura isso?” para indicar que gostariam de aprender tentando.

Elogie o processo e os acertos

Todo encorajamento é bem-vindo e se você quer que seus filhos deixem a cozinha de criança, aquela de brinquedo, para se aventurarem uma cozinha real, vai precisar destacar seus acertos.

Até mesmo adultos temem errar alguma receita e servir um prato ruim. Então, faça elogios e esteja atento para reparar quando a criança acertar algo que ainda não havia conseguido fazer.

Corrija erros com delicadeza

É claro que você não deve fingir que erros não aconteceram só para não desencorajar a criança.

Na verdade, a melhor forma de lidar com equívocos é corrigindo-os sem grosseria e, de preferência, ensinando novamente como algo deve ser feito.

Quanto a isso, tenha em mente que é melhor aprender vendo como se faz ao invés de só ouvir, então mostre o processo novamente. É ainda melhor aprender fazendo, então se a criança puder tentar de novo, permita e encoraja que ela o faça.

Encoraje novas ideias

E por falar em encorajar, dê espaço para novas ideias!

A depender da idade, a criança já navega na internet sozinha e pode achar receitas que queira fazer. Do contrário, lembre-se que há programas de TV que elas podem assistir e se inspirar.

Se você quer uma criança na cozinha sendo feliz por estar ali, dê a chance para que ela tente preparar alimentos que gostaria de comer. Se preciso for, participe, ensine e supervisione.

A ideia é que o momento não seja sempre voltado para algo que você definiu que deve ser feito, mas também para receitas que despertem o interesse da criança em arriscar e evoluir.

Vá além do preparo dos alimentos

Por fim, cozinha para criança não precisa ser algo que se limita ao preparo dos alimentos, ok?

Seus filhos podem participar da elaboração da lista de compras, podem ajudar no mercado, podem ajudar a guardar as compras e, depois do preparo, podem ajudar na limpeza dos utensílios.

A dica final é para que você tenha em mente que não só o aprendizado, mas a diversão também deve fazer parte do processo.

Talvez, sua criança não se torne um Junior Masterchef, mas cresça com um bom senso de autonomia na cozinha e uma boa relação com os alimentos!

Gostou e quer mais uma dica de como estimular a presença das crianças na cozinha? Confira nossas dicas de Filmes e Séries Sobre Gastronomia e Culinária de Dar Água na Boca!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *