Já reparou? Todo mês do ano tem ao menos uma cor associada a uma campanha diferente. Pode parecer uma simples moda, mas são sempre assuntos importantes. É o caso do Março Azul Marinho e a prevenção contra o câncer colorretal.

Nós sabemos que falar de assuntos como a possibilidade de um câncer nunca é agradável. Entretanto, se tem uma coisa que não podemos fazer para evitar o problema é fugir de falar a respeito. Isso porque a informação favorece a prevenção e o diagnóstico precoce que, por sua vez, pode salvar vidas.

Por isso, recomendamos que siga em frente com a leitura para conhecer melhor essa doença e saber quais cuidados tomar em prol de sua saúde. Vamos lá?

O que é o câncer colorretal

O câncer colorretal é uma doença que afeta o cólon, também conhecido como intestino grosso, e mais precisamente a porção final do trato intestinal. Trata-se de um tipo de câncer que surge a partir de pólipos, ou seja, do crescimento anormal de tecido na região do colo ou do reto.

Ainda que possa acometer indivíduos de qualquer faixa etária, as chances de desenvolvimento de um câncer colorretal aumentam com o avançar da idade. Em geral, os casos surgem em pessoas que têm entre 50 e 60 anos.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer colorretal é o segundo mais comum entre as mulheres e o terceiro mais comum entre os homens. Assim sendo, a doença merece atenção especial de todos.

Atualmente, há um elevado número de casos de câncer colorretal no país e o tumor tem incidência crescente. Por ano, são registrados cerca de 35 mil casos da doença no Brasil.

A boa notícia é que, além de ser possível prevenir a doença, o diagnóstico precoce do câncer colorretal leva à cura na maioria dos casos.

O que causa esse tipo de câncer

Em cerca de 30% dos casos, o câncer colorretal tem origem em alterações genéticas hereditárias, ou seja, trata-se de uma condição passada de pais para filhos. Na maioria das vezes, porém, os casos da doença são causados por maus hábitos.

Ulysses Ribeiro Junior, Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), informa que “70% dos casos de câncer colorretal está associada a um estilo de vida ruim, como sedentarismo, obesidade, consumo de álcool, tabagismo e alimentação pobre em fibras e vegetais”.

Além disso, o tabagismo, a obesidade e o diabetes também podem ser considerados como fatores de risco para que o câncer colorretal se desenvolva.

Como prevenir o câncer colorretal

Com isso, fica fácil entender como prevenir o câncer colorretal. O que você precisa fazer começa por uma dica que nós, da Obabox, ressaltamos com frequência em nossos posts sobre saúde e bem estar: adotar um estilo de vida mais saudável.

Entre as principais recomendações estão:

  • evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • não exagerar no consumo de carne vermelha já que esta tende a causar constipação fazendo com que substâncias nocivas fiquem por mais tempo em contato com o intestino. Algo que pode causar um desequilíbrio na microbiota que favorece a formação de pólipos;
  • diminuir o consumo de carnes preparadas em fritura;
  • aumentar a ingestão de frutas, verduras, legumes e cereais integrais;
  • praticar atividades físicas.

Além disso, é importante que você faça exames para acompanhar a sua saúde, algo que depende de orientação médica. Em geral, os profissionais recomendam que exames como o de sangue oculto nas fezes ou a colonoscopia para pessoas com 50 anos ou mais.

Exceções existem, por exemplo, quando sintomas de que algo não vai bem se manifestam. Ainda, os testes tendem a começar mais cedo para pessoas que têm casos de câncer colorretal na família.

Detecção de sangue nas fezes

Quando estão maiores de um centímetro é que os pólipos podem se transformar em tumores e começam a sangrar. Por isso, em caso de suspeita ou por simples prevenção, um médico pode solicitar o exame para a detecção de sangue oculto nas fezes.

Caso você teste positivo para a presença de sangue nas fezes, saiba que o problema pode ser sinal de outros problemas, inclusive alguns bem mais simples.

Assim, não há motivo para se desesperar, mas é preciso seguir as orientações médicas caso novos exames sejam solicitados para descartar o câncer colorretal.

Colonoscopia

Por puro preconceito, há quem fuja da colonoscopia. Isso porque, para o exame, o paciente é sedado e um colonoscópio ― um tubo flexível com cerca de um centímetro de diâmetro equipado com uma minicâmera ― é inserido pelo ânus para permitir a investigação do intestino grosso.

O exame, porém, é indolor e pode ser crucial para detectar a presença de pólipos antes que esses se transformem em tumor. Ainda, a colonoscopia favorece o diagnóstico precoce do câncer ou de inflamações intestinais que podem desencadear problemas graves.

Os principais sintomas do câncer colorretal

A prevenção é importante porque, no estágio inicial, os sintomas do câncer colorretal são quase nulos. Quando aparecem, os principais sintomas são:

  • presença de sangue nas fezes ou sangramento retal;
  • dores na região anal;
  • quadros de diarréia ou de constipação;
  • sensação de que o intestino não se esvazia por completo;
  • dores abdominais, cólicas ou gases;
  • sensação de fraqueza ou fadiga;
  • vômitos e náuseas;
  • perda de peso sem explicação;
  • quadro de anemia sem causa aparente.

É certo que esses sintomas nem sempre estão relacionados ao câncer colorretal. Em todo caso, porém, caso você identifique-os, compareça o quanto antes a uma consulta médica.

Tratamento do câncer colorretal

O tratamento do câncer colorretal vai variar de acordo com a gravidade do caso. 

Tumores em estágios iniciais demandam um tratamento menos agressivo que se baseia na retirada dos pólipos e lesões por meio de nova colonoscopia ou de pequenas cirurgias. Em alguns casos, sessões complementares de quimioterapia podem ser recomendadas.

O câncer em estágio mais avançado, por sua vez, demanda tratamentos mais agressivos. Radioterapia e quimioterapia estão entre os procedimentos que podem se fazer necessários antes mesmo de uma intervenção cirúrgica.

Março Azul Marinho e o câncer colorretal

Lembra-se de que dissemos que o câncer colorretal está entre os mais comuns entre homens e mulheres? É por essa razão que a conscientização da população se faz tão necessária. Algo que nos leva à criação do Março Azul Marinho.

O objetivo da campanha é trazer informações para que as pessoas tomem conhecimento da doença, de seus sintomas e das formas de prevenção. 

Conversar sobre o assunto também é importante porque ajuda a vencer as barreiras que ainda existem quando precisamos falar ou tratar de um problema que pode envolver o reto e exames como a colonoscopia.

A Obabox apoia o Março Azul Marinho para que você deixe de lado receios e ideias equivocadas e não abra mão de cuidar de sua saúde e prevenir o câncer colorretal.

Gostou do post? Compartilhe-o nas redes sociais para que seus conhecidos, amigos e familiares também saibam o que fazer para se prevenir contra a doença!

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *